Modelo de fichamento a pretinha do congo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1028 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Página
A PRETINHA DO CONGO: UM DESFILE DE TRABALHADORES
131 Parágrafo 1: O Porto de Galinhas, local escondido para desova de escravos no século XIX, é hoje cobiçada pela juventude dourada que desconhece que, até os anos setenta do século passado, eram as parias do norte de Pernambuco que atraíam os interesses gerais.
Parágrafo 1: No século XIX, quando viajou pelo Brasil, Dom Pedro II fezquestão de visitar Goiana e os seus barões. Os tempos mais recentes descobriram o litoral sul de Pernambuco ao mesmo tempo em que Ipojuca vem se tornando o porto de partida para a recuperação da economia do Estado.
132 Parágrafo 1: De onde teria vindo essa Pretinha de Congo?Roberto Benjamin, da Comissão Pernambucana de Folclore, a coloca como uma rememoração das festas em torno do rei e da rainhado Congo, que eram promovidas pela sociedade escravocrata, sob a tutela da Irmandade de Nossa Senhora do rosário dos Homens Pretos.
Parágrafo 2: Dos encontros entre estas Irmandades católicas e os cultos religiosos trazidos da África, todos acorrem a afirmar, teriam surgido os maracatus do Recife e de Igarassu. Daí alguns apressarem-se a ver a relação causal entre procissões do Rosário dos Pretose surgimento dos maracatus.
133 Parágrafo 1: Esse encontro da religiosidade de origem africana com o catolicismo ensinado aos homens pretos na sua irmandade também existe na cidade de Floresta, no Sertão do Pajeú, onde, apesar de ainda se tem notícias da formação de maracatus na cidade.
134 Parágrafo 1: Vamos partir do que se tem repetido a respeito dessa criação cultural. Muito do que se dizhoje da Pretinha do Congo está ligado à figura do babalorixá Heleno, morto no dia 06 de setembro de 1992. A partir daí, veio crescer a idéia de que a Pretinha do Congo é totalmente “um povo do santo”, cultivador da religiosidade vinda da África. Embora não seja razoável negar a forte presença da tradição africana no atual desfile da Pretinha do Congo, também não se pode negar que o grupo existiu edesfilava muito antes do nascimento de Heleno, ocorrido em 1945. Ou seja, o babalorixá Heleno não é o criador da Pretinha do Congo.
Parágrafo 2: 1936: esta data está escrita na bandeira da Nação África Pretinha do Congo, que tem sua sede na Baldo do Rio. 1930: é a data de fundação escrita na bandeira do Bloco Africano de Carne de Vaca, também em Goiana.
135 Parágrafo 1: As bandeiras utilizadaspelas duas Pretinhas do Congo de Goiana indicam suas origens para o período da existência e de maior prestígio da fabrica de Tecido de Goiana, estabelecida naquela cidade na ultima década do século XIX, nos anos seguintes à abolição da escravatura. É na periferia da cidade de Goiana, com pessoas que trabalhavam na fábrica de tecidos, que surgiu a Pretinha do Congo que deu origem aos dois gruposatuais.
Parágrafo 2: Ora, afirmar que a Pretinha do Congo surgiu em um bairro industrial não significa, de imediato, afirmar a inexistência de ligação daquele lugar, e das pessoas que a formaram, com o passado escravocrata: a escravidão ocorreu em todo o Brasil desde o tempo em que o país era Colônia do Império Português, e ainda no período imediatamente anterior à República. Entretanto, homenslivres descendentes de escravos foram criadores da Pretinha do Congo, exercendo a criatividade em uma sociedade livre, como estava acontecendo com outros grupos sociais, em Pernambuco e em outras regiões do Brasil.
136 Parágrafo 1: A historiografia recente, especialmente a que vem sendo escrita desde os anos 80, tem posto em esquecimento, ou ao menos em dúvida, a Lei Áurea, assinada pela princesaIsabel, após ser aprovado o projeto do ministro João Alfredo.
137




Parágrafo 1: A alegria do fim da escravidão não deixa esquecer o sofrimento vivido, mas a afirmação é que em “13 de maio o galo cantou”. Não, não foi o Galo de Esculápio que cantou, mas o Galo que anunciava um novo dia, o dia da liberdade, um dia de dança e sem polícia.
Parágrafo 2: Mas olhemos novamente a bandeira da...
tracking img