Memorial da pratica docente

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1812 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

Maria Amélia Sequeira Alencastro
Profª. Patrícia Marchand
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Licenciatura / Pedagogia (PEDO 0381) – Processos de Alfabetização
14/07/2012

RESUMO:
Este estudo tem a intenção de analisar o conceito de alfabetização de como é visto hoje e suas praticas,de como os professores encaram o processo de alfabetizarfrente as estas mudanças ocorridas nestas últimos 3 décadas e como é importante ter a noção destas transformações que foram surgindo e que hoje não é o mesmo conceito de 30 anos atrás. É de suma importância a compreensão do professor que lida com a alfabetização e os professores da língua portuguesa que atualmente temos que ter a percepção que a sociedade se modificou e que temos que adequar oensino e a escola a esta nova visão. As novas tecnologias estão aí e transformando nossa sociedade e devemos nos adequar as essas mudanças, aprendendo que nosso aluno tem uma visão de mundo e tem sua própria vivência e que deve ser valorizada e respeitada para tornar a sua aprendizagem significativa e efetiva.


Introdução

Temos hoje encontrado problemas nas práticas de alfabetização dentrodas escolas, pois como a mudança na LDB, o ensino fundamental teve importantes mudanças, a criança que antes ingressava na escola com 7 anos passar a entrar com a idade de 6 anos, com isto o conceito de alfabetização passa por transformações. Vemos que a alfabetização perpassa os primeiros anos das séries iniciais, que é de competência alfabetizar ao longo deste período. Com os novos estudosda sociolinguística, alfabetizar é considerar a leitura de mundo que o individuo tem, valorizando suas necessidades e interesses, tornando mais significativa a sua aprendizagem, pois alfabetizar não é somente decodificar o código escrito e sim se apropriar do mesmo e saber usá-lo de maneira adequada, que o mesmo possa ler, escrever e produzir a sua própria linguagem de maneira satisfatóriasabendo interpretar e se comunicar com o mundo que está inserido.Em cima da evolução dos estudos nessa área , a dificuldade que os profissionais da educação tem encontrado perante uma sociedade que tem pensamento já preconcebido que o aluno deve sair de um primeiro ano alfabetizado .Sendo que alfabetizado para este mesmo grupo é só a decodificação da escrita e da leitura não levando em contadoo seu letramento.
Palavras-chaves: Alfabetização, letramento, educação.

Desenvolvimento:
Ao estudar sobre a temática ALFABETIZAÇÃO, tanto no livro “Processos de Alfabetização” da Professora Neuzi Schotten vemos a preocupação de preparar os novos professores para a nova realidade de ensino que hoje estamos nos confrontando, com vários teóricos e colaboradores nessa área dando a formaçãoadequada para que o mesmo possa realizar o seu trabalho de maneira apropriada com os novos conceitos que estão fazendo parte de nosso cotidiano. Existe ainda o questionamento e a resistência dos envolvidos nessa prática por parte de professores, alfabetizadores e comunidade, pois é um processo que ainda está passando por transformações e adequações perante a sua implantação. Ao lermos textos, artigose livros sobre o tema alfabetização percebemos a preocupação em alfabetizar letrando, pois ao longo dos anos percebemos a dificuldade dos alunos de saber interpretar o que está lendo e de fazer qualquer tipo de produção textual, acarretando ao longo destes anos um nível muito baixo de aproveitamento dos estudantes. Alunos que não conseguem se expressar corretamente tanto pela escrita e pelaleitura tendo assim um baixo rendimento escolar, pois não conseguem nem sequer interpretar um problema matemático e muito menos ler um texto e reproduzi-lo com suas palavras. Por essas questões que os teóricos e estudiosos da área da linguística se preocupam com as práticas educativas dos professores alfabetizadores.
Na revista Pátio, número 29 de fevereiro de 2004, tem um texto de Magda Soares “...