Medicina

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2639 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
REVISÃO

Colapso materno – Conduta da parada cardíaca na gravidez
Maternal collapse – Management of cardiac arrested in pregnancy

Antônio Braga1 Amanda Pompeu Trindade1 Maria Eduarda de Vasconcellos Soggia1 Marina Cardoso Boccaletti1 Flavia Tarabini Castellani Asmar2 Jorge Rezende-Filho4 Carlos Barbosa Montenegro5 Palavras-chave Parada cardiopulmonar Reanimação cardiopulmonar CesáreaMortalidade materna Keywords Cardiopulmonary arrest Cardiopulmonary resuscitation Cesarean section Maternal mortality

Colapso materno é evento incomum, pouco estudado, porém ameaça de modo iminente a vida da gestante e de seu concepto. Envolve diferentes etiologias e exige intervenção médica imediata, cujo sucesso será o principal definidor do prognóstico da paciente. Sendo assim, é indispensável odomínio do obstetra nas intervenções arroladas nesse evento, tais como: reanimação cardiopulmonar na grávida, cesárea perimortem e cuidados pós-parada cardíaca. Este artigo tem por objetivo atualizar, à luz da evidência científica, as condutas preconizadas em gestantes em colapso, agregando conhecimentos desde as interferências causadas pelas alterações fisiológicas da gravidez até as condutas desuporte básico e avançado de vida nas gestantes.

Resumo

Abstract

Maternal collapse is an uncommon and poorly researched disorder, but it is so imminent threat to life the expectant mother and her fetus. It involves different etiologies and immediate medical intervention is the main factor guiding the patients’ prognostics. As a result, the obstetrician’s full grasp over the necessaryinterventions, such as cardiopulmonary resuscitation during pregnancy, perimortem cesarean section and meticulous care after cardiac arrest, is crucial. The objective of this article is to update, according to recent scientific findings, the best practices in treating maternal collapse, from the analysis of the physiologic modifications caused by pregnancy to basic and advanced life support.Professor Adjunto Doutor de Obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil; Diretor do Centro de Doenças Trofoblásticas da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro e do Hospital Universitário Antonio Pedro da UFF – Rio de Janeiro (RJ), Brasil. 2 Professora de Obstetrícia da 33ª Enfermaria (Maternidade) da Santa Casa da Misericórdia do Riode Janeiro – Rio de Janeiro (RJ), Brasil. 3 Médicas egressas do Curso de Medicina da Universidade Gama Filho – Rio de Janeiro (RJ), Brasil. 4 Professor Titular de Obstetrícia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade Gama Filho – Rio de Janeiro (RJ), Brasil; Chefe da 33ª Enfermaria (Maternidade) da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.5 Professor Titular de Obstetrícia da UFRJ, da Universidade Gama Filho e da 33ª Enfermaria (Maternidade) da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro (RJ), Brasil; Titular da Academia Nacional de Medicina – Rio de Janeiro (RJ), Brasil. Endereço para correspondência: Carlos Antonio Barbosa Montenegro. 33ª Enfermaria (Maternidade) da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro –Rua Santa Luzia, 206, Castelo – CEP: 20020-022 – Rio de Janeiro (RJ), Brasil – Email: bragamed@yahoo.com.br Conflito de interesse: não há
1

Braga A, Trindade AP, Soggia MEV, Boccaletti MC, Asmar FTC, Rezende-Filho J, Montenegro CB

Introdução
O colapso materno é afecção aguda que acomete gestantes durante a gravidez e até 42 dias após o parto, comprometendo os sistemas cardiorrespiratórioe/ou cerebral. Pouco se sabe sobre a epidemiologia desse evento na prenhez, vez que sua ocorrência, na maioria das vezes, está mesclada em dados de morbimortalidade materna1 (D). Estima-se que a incidência de colapso materno, aqui já excluídos os casos de anomalia vagal e do estado pós-ictal que se segue à convulsão epiléptica, situa-se entre 0,14 e 6 a cada 1.000 nascimentos2 (B). Não há...
tracking img