Marshall equilíbrio parcial

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2225 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de agosto de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Alfred Marshall
1842 – 1924

Escola: neoclássica

Principais Obras: The Pure Thery of Foreign Trade and the Pure Thery of Domestic Values; The Economics of Industry; Princípios de Economia; Industry and Trade; Money Credit and Commerce.

Vida: Resistindo a intenção de seu pai de que seu tornasse sacerdote, Marshall recusou uma bolsa em Oxford, indo estudar ciências e matemática emCambridge, com o auxílio financeiro de seu tio. Tornou-se professor na mesma instituição, quando se interessou por Economia devido a preocupação com os pobres. Renunciou ao seu cargo (as normas assim o exigiam) ao casar com sua aluna Mary Paley, também economista. Lecionou em Bristol, depois retornou a Cambridge, onde concluiu sua carreira como líder dos economistas daquela escola.

PrincipaisIdéias: Marshall foi o fundador da análise de equilíbrio parcial, aquela parte dos livros de microeconomia que trata da oferta e demanda em um mercado de um produto isolado, como por exemplo suco de laranja. O objetivo principal da teoria é mostrar como se comportam os preços e quantidades de equilíbrio produzidas nos mercados. Para tal, desenvolveu o conhecido diagrama de oferta e demanda, cujocruzamento resulta no ponto de equilíbrio de mercado. É criado assim o instrumento de análise mais utilizados pelos economistas. O método consistia em isolar algumas poucas variáveis de análise, enquanto mantinha o resto dos fatores constantes – a famosa condição coeteris paribus. Assim, a renda e os gostos dos consumidores, o poder de compra da moeda ou as técnicas produtivas ficavam inalteradas durantea análise.

Embora melhor matemático que Jevons ou Walras, tinha uma posição mais balanceada sobre o papel da mesma na análise. Marshall relegava as deduções matemáticas e gráficos a notas de rodapé ou apêndices dos seus Princípios, tornando o texto acessível ao leitor comum. A obra mostrava uma grande preocupação com o realismo e com os problemas concretos que a Economia poderia ajudar aentender. Em uma carta, Marshall escreve:

Mas eu sei que eu tinha uma crescente sensação nos últimos anos do meu trabalho no assunto que é altamente improvável que um bom teorema matemático relativo a hipóteses econômicas seja boa Economia; e eu segui mais e mais as regras – (1) Use a matemática como uma linguagem resumida, em vez de como um instrumento de investigação. (2) Utilize-a atéterminar. (3) Traduza para o inglês. (4) Então ilustre por exemplos importantes no mundo real. (5) Queime a matemática. (6) Se não obter sucesso em 4, queime 3. Este último passo eu segui freqüentemente.

Dados seus preceitos metodológicos, vejamos a sua teoria. Vamos estudar separadamente a demanda e a oferta. Quanto a primeira, Marshall declara que desenvolveu o princípio de utilidade marginaldecrescente antes e de forma independente de Jevons, Walras ou Menger, embora não tenha publicado a respeito antes deles. Marshall adotava as hipóteses simplificadoras de que a utilidade do consumo de um bem independe da quantidade consumida dos demais bens, além de assumir constante a utilidade marginal de uma unidade monetária[1]. Com essas hipóteses, podemos relacionar a utilidade marginaldecrescente com a curva de demanda: o preço que um consumidor estaria disposto a pagar por um bem reflete sua utilidade marginal, quanto mais bens se consome, menor é a utilidade marginal e menor o preço que se está disposto a pagar.

Quanto a oferta, Marshall também aplica o princípio marginalista, embora não utilize o princípio subjetivista. A curva de oferta é derivada com o auxílio do conceito decusto marginal crescente no curto prazo. Ao ignorar o elemento subjetivo na construção da oferta, o autor acaba adotando a teoria objetiva do valor dos clássicos. O custo no longo prazo é dado pela quantidade de trabalho empregada, que tem o seu valor dado pelo custo de produzir o trabalho. No curto prazo, à maneira de Jevons, os "custos reais" refletem o sofrimento com o dispêndio de trabalho....
tracking img