Manual

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 233 (58028 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic][pic][pic][pic][pic][pic]
[pic]
Páginas
[pic]
[pic]
Este Blog
Link daqui
Web
| |
|Este Blog | |
|  | |
|  | |
|  | |


Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário
|Link daqui | |
|  | |
|  | |
|  | |
|Web | |
|  | |
|  | |
| | |


 
terça-feira, 26 de julho de 2011
Manual prático do Diagnóstico Psicopedagógico Clínico
Postado por ♥ Profº Daniela ♥
[pic]
PROVAS OPERATÓRIAS
Texto retirado do Manual Prático do Psicopedagogo Clínico

Manual prático do Diagnóstico Psicopedagógico Clínico

Provas operatórias

Por meio da aplicação das provas operatórias, teremos condições de conhecer o funcionamento eo desenvolvimento das funções lógicas do sujeito. Sua aplicação nos permite investigar o nível cognitivo em que a criança se encontra e se há defasagem em relação à sua idade cronológica, ou seja, um obstáculo epistêmico.
A aplicação das provas operatórias tem como objetivo determinar o nível de pensamento do sujeito realizando uma análise quantitativa, e reconhecer as diferenças funcionaisrealizando um estudo predominantemente qualitativo. (VISCA, p. 11, 1 995)
Uma criança com dificuldades de aprendizagem poderá ter uma idade cognitiva diferente da idade cronológica. Esta criança encontra-se com uma defasagem cognitiva e que pode ser a causa de suas dificulda- des de aprendizagem, pois será difícil para a criança entender um conteúdo que está acima da sua capacidade cognitiva. Comoobserva Sampaio, algumas crianças chegam com a queixa de déficit de atenção e, quando aplicamos as provas operatórias, observamos defasagem cognitiva, mas não observamos o défícit de atenção como transtorno. Isto significa que, se o conteúdo estiver acima da sua idade cognitiva, a criança poderá desviar seu olhar para outros interesses que não os da sala de aula, (2009, p. 47)
Visca (1995, p. 11)nos alerta que as provas nem sempre são adequadamente entendidas e utilizadas de acordo com todas as possibilidades que as mesmas possuem. Isto se deve, talvez, a uma certa dificuldade de sua correta aplicação, evolução e extração das conclusões úteis para entender a aprendizagem.
Desta forma, é preciso entender que, em qualquer pergunta errada, pode haver alteração no resultado das provas. Opsicopedagogo precisa estar bastante seguro na hora de sua aplicação. É claro que todo psicopedagogo iniciante pode sentir-se inseguro inicialmente. Sugiro, portanto, que leve as instruções e as perguntas digitadas para não cometer nenhum erro.
Ao aplicar as provas, deve-se evitar aplicar várias provas de conservação em uma mesma sessão, para que não haja uma possível contaminação das respostas dosujeito. É interessante que se alterne entre provas de conservação, classificação e seriação.
Os resultados serão mais bem compreendidos se anotarmos detalhadamente todas as respostas do cliente, inclusive suas reações, postura, fala, inquietações, reação diante do desconhecido, seus argumentos, sua organização, de que maneira manipula e organiza o material.
Para a avaliação, as respostas sãodivididas em três níveis:
• Nível 1: Não há conservação, o sujeito não atinge o nível operatório nesse domínio.
• Nível 2 ou intermediário: As respostas apresentam oscilações, instabilidade ou não são completas. Em um momento, conservam, em outro não.
• Nível 3: As respostas demonstram aquisição da noção, sem vacilação.
Algumas crianças não obtêm êxito em apenas uma prova e apresentam acertooperatório nas demais. Isto não significa que ela esteja em defasagem. É preciso analisar o resultado geral das provas.
Pode-se verificar se há um significado particular para a ação dessa prova que sofra uma interíerência emocional.
Encontramos crianças, filhos de pais separados e com novos casamentos dos pais, que só não obtinham êxito na prova de intersecção de classes. Podemos ainda citar...
tracking img