Manual de primeiros socorros

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 35 (8626 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Capítulo I

Sistema Integrado de Emergência Médica

Objectivos:

• Compreender o que é o SIEM e quais os seus intervenientes;

• Compreender como activar o sistema de emergência médica;

• Saber utilizar o número europeu de socorro – 112

Emergência Médica:

É uma actividade na área da saúde, que abrange tudo o que se passa desde o local de ocorrência da emergência até aomomento em que se inicia o tratamento na unidade de saúde mais adequada à situação.

FASES do SIEM

Os intervenientes do SIEM:

 Público

 Operadores de Central

 Agentes de Autoridade

 Bombeiros

 Tripulantes Ambulância

 Médicos

 Enfermeiros

 Técnicos dos hospitais

 Téc. Telecomunicações

 Téc. Informática

Electricistas

 Etc.

A organização do Sistema Integrado de Emergência Médica exige um conjunto de programas que determinem a actuação dos vários intervenientes.

Cabe ao Instituto Nacional de Emergência Médica o papel de organismo regulador das actividades de emergência médica.

Subsistemas do INEM:

 CIAV – Centro de Informação Anti-Veneno 808 250 143

Transporte de Recém-Nascidos

 CODU – Centro de Orientação de Doentes Urgentes

 CODU-MAR

Capítulo II

Princípios Gerais do Socorrismo

Exame da Vítima

Objectivos:

 Identificar os princípios gerais do socorrismo.

 Distinguir prevenção primária e secundária.

 Distinguir situações de socorro essencial e situações de socorro secundário.

São 3 os princípiosgerais do socorrismo, normalmente representados pelo acrónimo
PAS:

 Prevenir

 Alertar

 Socorrer

Leis fundamentais a partir das quais se baseiam e desenvolvem todas as acções técnicas e práticas do primeiro socorro.

Prevenção Primária: Conjunto de acções a realizar com o objectivo de diminuir ou mesmo anular a possibilidade de ocorrência de um acidente.

PrevençãoSecundária: Conjunto de acções a realizar após a ocorrência do acidente com o objectivo de minimizar as suas consequências ou impedir que a partir deste se desenvolvam outros acidentes.

Alertar: Chamar para o local da ocorrência do acidente pessoal especializado na estabilização e transporte da (vítima) de acidente ou doença súbita.

Efectuado através do nº nacional de emergênciamédica 112 e deve constar todas as informações recolhidas no local (local da ocorrência, nº de contacto, nº de vitimas, seu estado e idade aproximada).

Factores agravantes que devem ser referidos:

 Perigo de incêndio

 Perigo de explosão

 Perigo de desmoronamento

 Vitimas encarceradas

 Afogamento

 Acidentes eléctricos

 Etc.Socorrer: Sistematizar as acções segundo a sua gravidade:

Situações de socorro essencial – Representadas pelo acrónimo ACHE ( Alterações Cardio-Respiratórias, Choque, Hemorragias, Envenenamentos/Intoxicações), prioritárias relativamente a outras situações – comprometem rapidamente a vida

Situações de Socorro Secundário – todas as outras não integradas nas anteriores. Não devem ser desprezadas pelosocorrista pois podem evoluir para uma situação de socorro essencial.

Objectivos:

 Identificar e corrigir situações que coloquem a vítima em perigo imediato de vida;

 Identificar e corrigir situações que, não representando perigo de vida, podem agravar a situação geral se não forem corrigidas;

 Avaliar e registar os Sinais Vitais.

É fundamental:

 Garantir as condiçõesde segurança da vítima e do(s) socorrista(s) ou equipa de socorro

 Não avançar no exame da vítima sem ter corrigido a alteração ou lesão anteriormente identificada

Exame Primário

É feito logo que o socorrista chega junto da vítima.

Avaliar e corrigir as situações que colocam em risco imediato a vida da vítima, ou seja situações de compromisso das funções vitais.

Em caso de...
tracking img