Manual bpf

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 61 (15079 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO
INSTITUTO QUALITTAS
CURSO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E CONTROLE DE QUALIDADE DOS
ALIMENTOS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

Letícia Mendonça Morais

Mineiros, jan.2009.

LETÍCIA MENDONÇA MORAIS
Aluna do Curso de Vigilância Sanitária e Controle de Qualidade dos Alimentos da
UCB

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

Trabalho de boas práticas defabricação
para a conclusão do curso de Vigilância
Sanitária e Controle de Qualidade dos
Alimentos (TCC), apresentado à UCB como
requisito para a obtenção do título de
Especialista

em

Vigilância

Sanitária

e

Controle de Qualidade dos Alimentos, sob a
orientação da Mscª.: Juliana Folador.

Mineiros, jan.2009.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO

COOPERATIVA MISTAAGROPECUÁRIA DO VALE DO ARAGUAIA - COMIVA

1 OBJETIVO
O objetivo deste Manual é descrever os procedimentos adotados na
Cooperativa Mista Agropecuária do Vale do Araguaia - COMIVA, para atender aos
requisitos relativos às Boas Práticas de Fabricação, incluindo desde aspectos de
higiene pessoal dos colaboradores, projetos e instalações, controle de qualidade,
limpeza e sanificação de equipamentos eutensílios até aspectos gerais de
recebimento, armazenamento e distribuição do leite.
2 DOCUMENTO DE REFERÊNCIA
Para elaboração deste Manual de Boas Práticas de Fabricação foram adotados
os seguintes documentos:
-

Portaria SVS/ MS n° 1428, de 26 de novembro de 1993, que dispõe sobre
o Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos.

-

Portaria SVS/ MS n° 326, de 30 dejulho de 1997, que dispõe sobre o
Regulamento Técnico Sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas
Práticas

para

Estabelecimentos

Produtores/

Industrializadores

de

Alimentos.
-

Portaria n° 368, de 04 de setembro de 1997 do Ministério de Agricultura,
Pecuária e Abastecimento, que dispõem sobre o Regulamento Técnico
sobre as Condições Higiênicas – Sanitárias e de BoasPráticas de
Elaboração para Estabelecimentos Elaboradores/ Industrializadores de
Alimentos.

-

Instrução Normativa n° 51, de 18 de setembro de 2002, que dispõem
sobre os Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade, Qualidade,
Coleta e Transporte de Leite.

-

Série Qualidade e Segurança Alimentar:
- Cartilha 01: Controle de Perigos
- Cartilha 02: As Boas Práticas de FabricaçãoFundamentais (PPHO)
- Cartilha 03: Requisitos Complementares do BPF
- Cartilha 04: Elaboração do Manual de Boas Práticas de Fabricação
- Cartilha do Manipulador de Alimentos.

3 CAMPO DE APLICAÇÃO

Elaborado por:
Equipe BPF

Aprovado por:
Presidente COMIVA

Data:
Janeiro/2009

Este Manual de Boas Práticas de Fabricação aplica-se a todas as áreas do
estabelecimento, internas e externas, eo cumprimento das recomendações nele
contido, é de responsabilidade exclusiva da empresa.

4 TERMINOLOGIA / DEFINIÇÕES / SÍMBOLOS


Ação Corretiva: procedimentos ou ações a serem tomadas quando se
constata que um critério encontra-se fora dos limites estabelecidos.



Armazenamento: é o conjunto de tarefas e requisitos para a correta
observação de matéria-prima e produto final(embalagem).



Boas Práticas de Fabricação (BPF): são regras na produção de alimentos
que, quando praticadas, ajudam a prevenir os perigos, são pré-requisitos
fundamentais, constituindo-se a base higiênico-sanitária para Implantação do
Sistema APPCC.



Check list: lista de verificação contendo os registros que devem ser
verificados na auditoria. Tem como objetivo padronizar aconsultoria.



Contaminação: presença de substâncias ou agentes estranhos de origem
química, física ou biológica que se consideram nocivas ou não à saúde
humana.



Contaminação Cruzada: contaminação do alimento por substâncias ou
agentes estranhos, de origem química, física ou biológica que se consideram
nocivas ou não à saúde humana, através do contato direto, por
manipuladores ou...
tracking img