Mal-estar e subjetividade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 30 (7472 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Mal-Estar e Subjetividade
Universidade de Fortaleza
cmps@unifor.br
ISSN: 1518-6148
BRASIL

2002
Daniella Coelho de Oliveira
O TEXTO FREUDIANO COMO ANALISADOR DA CULTURA:
UMA RESPOSTA AOS DISCURSOS TOTALIZANTES DA CIÊNCIA E DA RELIGIÃO
Revista Mal-estar E Subjetividade, setembro, año/vol. 2, número 002
Universidade de Fortaleza
Fortaleza, Brasil
pp. 123 - 144

ARTIGOS

O textofreudiano como analisador da
cultura: uma resposta aos discursos
totalizantes da ciência e da religião
DANIELLA COELHO DE OLIVEIRA
Doutoranda em Psicologia Social pela
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),
mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUCRJ) e especialista em Medicina PreventivaSaúde Coletiva pela Universidade de São Paulo(USP), bacharel em Psicologia pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
R. Otávio Correia 241/401, Urca – Rio de Janeiro
– RJ, CEP 22291-180
e-mail: daniella.c@terra.com.br

RESUMO
O presente estudo percorre a obra cultural freudiana,
especialmente seus escritos sobre a moral, a religião, o discurso
da ciência e a guerra, argumentando sobre sua eficácia como
instrumento analisadorde acontecimentos culturais postos na
REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. II / N. 2 / P. 123 - 144 / SET. 2002

123

ARTIGOS

DANIELLA COELHO DE OLIVEIRA

modernidade. Nesse sentido, assinala a condição humana descrita
pela psicanálise e o antagonismo próprio ao encontro do sujeito
com a cultura, reconstituindo a crítica aos ideais de plenitude e bem
viver veiculadospela instituição religiosa e atualizados
radicalmente via discurso da ciência. Desse modo, argumenta
sobre a ascensão do saber científico à forma exclusiva de acesso
à verdade e a visão de homem que ele faz emergir quando
disponibiliza um arsenal tecnológico e técnico como oferta de poder
e satisfação absolutos para o humano. Contra a promessa ingênua
de uma felicidade sem tensões quecomparece em ditos ideais, o
estudo remete ao mal-estar imanente à proposição de sujeito
psicanalítica; opta pela análise da guerra como acontecimento
cultural que reafirma a força destrutiva da “pulsão de morte” e
aponta para o caráter trágico do saber analítico. A reflexão permite
acessar uma instigante leitura da cena cultural moderna,
concluindo por demonstrar a potência crítica da proposiçãoética
engendrada pela psicanálise e acenando para a pertinência desse
aparelho teórico como instrumento analisador de fatos sociais em
processo no contemporâneo.
Palavras-chave: psicanálise, cultura, religião, ciência, segregação,
moral

ABSTRACT
The present study examines the Freudian cultural work, especially
his writings on moral, religion, the discourse on science, and war,
arguingabout their efficacy as instruments of analysis of the
modern cultural events. Along these lines, it signalizes the human
condition described in psychoanalysis and the antagonism
pertaining to the individual’s encounter with culture, reconstituting the
criticism to the ideals of plenitude and wellbeing, which are
disseminated by the religious institution and radically confirmed
through thediscourse on science. Thus, it argues about the rise of
scientific knowledge as being the exclusive form of access to truth
and the vision of man that emerges from this knowledge when it
offers him a technological and technical arsenal as the means for
124

REVISTA MAL-ESTAR E SUBJETIVIDADE / FORTALEZA / V. II / N. 2 / P. 123 - 144 / SET. 2002

ARTIGOS

O TEXTO FREUDIANO COMO ANALIZADOR DACULTURA

him to reach absolute power and satisfaction. Against the naïve
promise of a happiness without tensions that these ideals present,
the study refers to the uneasiness that is immanent to the
psychoanalytic proposition of subject. It chooses to analyze war as
a cultural event that reaffirms the destructive force of the “death
impulse” and points to the tragic character of...
tracking img