Literatura estrangeira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 45 (11001 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Prazer Proibido - Veronica Sattler

RESUMO
Um terrível equívoco rouba a inocência de uma jovem e compromete o coração de um famoso conquistador
Amedrontada, Ashleigh correu os olhos pelo imponente aposento que lhe haviam destinado. A ampla cama de casal, as ricas cortinas de veludo, os espelhos nos quais via-se refletida de todos os ângulos. Aquele luxo a impressionava, era excessivo... e fezrenascer seus receios. Havia algo errado. Uma batida na porta tirou-a de suas divagações. O duque de Ravenford entrou no quarto e ficou surpreso. Esperava por um brinquedo divertido mas não por uma mulher tão jovem e bela. Podia jurar que aquele rosto espelhava inocência. Mas era uma prostituta. E como ele já havia pago por seus "serviços", agora iria ocupar-se apenas do prazer!
Um tema fortetratado com lirismo e suavidade pela autora de Lady Indomável




PRÓLOGO
Kent, Inglaterra, 1795

John Westmont, o oitavo duque de Ravensford, debruçou-se sobre a grande mesa esculpida. As sombras da biblioteca incidiam sobre seu rosto anguloso, acentuando-lhe as reentrân¬cias e ocultando o vivo sofrimento que havia em seus olhos.
— Seus pais estão mortos, filho. E também seu irmão — disseele, dirigindo-se ao pequeno gentleman à sua frente. — Tem alguma coisa a dizer a esse respeito?
Brett Westmont ergueu os olhos azul-turquesa e sustentou o olhar penetrante do avô, sem dar mostras da dor que lhe oprimia o coração desde que tivera conhecimento da pungen¬te tragédia.
— Meu pai morreu, meu avô. E também meu meio-irmão.
O velho duque pôs-se de pé e fitou-o, chocado.
— Está sendoimpertinente, filho. Esperava algumas pala¬vras que exprimissem sentimento de dor e compaixão, não uma digressão sobre a genealogia de nossa família!
O menino respirou fundo duas ou três vezes, como se lhe fosse difícil responder.
— Não quis ser impertinente, senhor. Mas é que minha ver¬
dadeira mãe...
O duque olhou-o fixamente, como se ele fosse uma cortina de vidro que deixasse transparecer opassado,
— Como se atreve a falar de alguém que deixou de existir há mais de sete anos, no instante em que saiu desta casa? Esqueceu-se de que ela foi infiel a seu pai, antes de abandoná-lo?
Brett ergueu heroicamente a cabeça, e sua súbita coragem tornava-se mais eloquente pelo rubor que o sofrimento lhe causava.
— Não, senhor. Não esqueci.
Ele não se esquecera, apesar de nunca mais terreencontra¬do a mãe, cujo nome, Mary, viscondessa Westmont, havia si¬do banido de Ravensford Hall. Falara-se dela baixinho, nos primeiros tempos. Porém, jamais conseguira conciliar aque¬las palavras sussurradas com as recordações esmaecidas mas persistentes de uma moça alta, de fisionomia iluminada e olhos brilhantes.
• Um acontecimento trágico, absurdo — tornou a dizer o duque, chamando-o àrealidade. — E, de novo, por causa de uma mulher! Foi sua madrasta, lady Caroline, que levou seu pai para esse trágico fim.
• Deixe que os mortos repousem em paz, John!
Brett ergueu os olhos, surpreso, ao ver a ajta e majestosa figura de lady Margaret, irmã gémea do duque, emergir da outra extremidade do salão revestido de lambris escuros e aproximar-se deles com passos lentos. Não estava a sós com seuavô, como imaginara.
John Westmont voltou-se para ela e olhou-a com frieza.
— Se quiser participar desta entrevista, embora eu não en¬tenda qual é seu interesse nisso, procure não me interromper.Quanto aos mortos, deixe-me dizer, por seu bem e pelo do me¬nino, que meu filho e sua segunda mulher formavam um par de desmiolados.
Lady Margaret escandalizou-se.
• Mas isso é monstruoso!
• É averdade — disse o duque calmamente. — O menino a saberá, mais cedo ou mais tarde... e acho que deveria sabêlo já. Os dois estavam embriagados quando deixaram a caça¬
da e instalaram-se na carruagem que os levou para a morte. O velho Henry contou-me que viu Edward arrancar as rédeas das mãos do cocheiro e lançar o carro pela estrada a uma ve¬locidade espantosa.

• Mas o eixo defeituoso... --- quis...
tracking img