Literatura brasileira: poesia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2190 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Estadual de Maringá
Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes
Departamento de Letras
Disciplina: Literatura Brasileira: Poesia


Avaliação parcial de Literatura Brasileira: Poesia


1. A. A poesia pastoril configura-se como uma produção literária associada, essencialmente, ao Arcadismo, movimento cultural que, de acordo com José Nicola em seu livro Literatura Brasileira:das origens aos nossos dias, teve início no Brasil no ano de 1768 com a fundação da Arcádia Ultramarina e a publicação de Obras, de Cláudio Manuel da Costa. A utilização do campo como tema principal deve-se a que, na época, “no combate ao poder monárquico, os burgueses cultuam o ‘bom selvagem’ em oposição ao homem corrompido pela sociedade do Ancien Régime” (NICOLA, 1993, p.51).
Dentre a vastaprodução literária da época, destaca-se a do mineiro Cláudio Manuel da Costa, escritor característico do Arcadismo que “...procurou trabalhar sempre de acordo com o pensamento árcade, destacando-se por seus sonetos, perfeitos na forma e na linguagem, mas sem profundidade em relação ao conteúdo” (NICOLA, 1993, p.55). No entanto, o Arcadismo brasileiro destaca também a obra Marília de Dirceu de TomásAntônio Gonzaga, onde o escritor “se posiciona como um abastado pastor que cultiva o ideal da vida campestre...” (TERRA; NICOLA, 2008). Sendo assim, foram eleitos para a análise o soneto XII de Cláudio Manuel da Costa e a parte I da lira I da obra Marília de Dirceu escrita por Tomás Antônio Gonzaga, por refletirem com maior ênfase o convencionalismo temático e formal da poesia pastoril.
Emprimeiro lugar, observa-se em ambos os poemas a presença de vocábulos que descrevem as belezas da natureza com delicadeza e realismo, por tratar-se de um elemento visto como harmonioso pelo eu-lírico. Esse eu-lírico destaca em sua descrição majoritariamente objetiva o ambiente em que vive, pois se caracteriza como um homem do campo, um pastor ou um vaqueiro. No soneto XII, portanto, exibem a presençamarcante da natureza vocábulos como “rebanho”, “sombra”, salgueiros”, “Sol”, “campo”, “vento”, “verde matiz”, “sovereiros”, “gado”, “calor”, “dia”, “estação” etc. A parte I da lira I possui “vaqueiro”, “gado”, “frios gelos”, “sois”, “legume”, “fruta”, “azeite”, “ovelhinhas”, “leite” e “lãs”. Com base nesses vocábulos e na ausência de outros que façam referência à vida na cidade, considerada falsa,notamos também a valorização da natureza de uma forma simples e desvinculada à ideias de glória e fortuna.
O amor é um elemento presente de forma mais nítida na parte I da lira I de Tomás Antônio Gonzaga, onde Marília (musa do autor) é por duas vezes invocada. Porém, a poesia pastoril não revela o exagero amoroso como o Barroco, pois “o exagero da expressão barroca havia cansado o público...”(NICOLA, 1993, p.51). O amor por muitas vezes continua não correspondido e retrata uma mulher idealizada e intocável (como se comprova pelo verso 9 da lira I, “Graças, Marília bela”), porém não gera ações e efeitos extremistas. Sendo assim, o amor passa do exagero (Barroco) à tranquilidade.
Quanto à forma, a poesia pastoril destaca-se por seu equilíbrio como forma de refletir a harmonia da naturezae, portanto, o soneto e o verso decassílabo tornam-se frequentes. Nos poemas analisados observa-se que, com exceção dos versos finais da parte I da lira I, os versos configuram-se como decassílabos heróicos (acentos nas sextas e décimas sílabas poéticas). A rima do soneto XII se mostra do tipo ABBA ABBA CDC DCD e da lira I do tipo ABABCDDCEE. Esses elementos, unidos ao fato de o soneto serperfeito quanto à forma, conferem musicalidade aos poemas, pois, segundo Guillemin, “enquanto o gado pastava, o pastor passava o tempo com o canto” (apud RIBEIRO, 2006, p.20).
Seguindo algumas características das Bucólicas de Virgílio, a poesia pastoril possui também recursos de construção dos poemas, como comprovado pelo uso do vocativo “Marília” na lira I, o uso da figura de pensamento prosopopeia...
tracking img