Lirica de camoes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (436 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Lírica de Camões

Dezembro 2009

Lírica camoniana

A lírica é auto-confessional e o amor é sempre o motor para o aperfeiçoamento do poeta. O amor consubstancia-se na imagem luminosa de umamulher. Os Lusíadas são narrativa e alegoria, seguindo-se um determinado caminho chega-se à divindade, à mulher, ao possuir da mulher, a lírica nunca chega lá mas apenas ao encontro final do espírito. Alírica como discurso do eu é muito mais confessional e intimista em relação à epopeia, daí a possibilidade da construção que não é tão utópica e distante como na lírica.
Na lírica camoniana coexiste apoética tradicional e o estilo renascentista.

Características da corrente tradicional

As formas poéticas tradicionais: cantigas, vilancetes, esparsas, endechas, trovas...

Uso da medidavelha: redondilha menor e maior.

Temas tradicionais e populares; a menina que vai à fonte; o verde dos campos e dos olhos; o amor simples e natural; a saudade e o sofrimento; a dor e a mágoa; o ambientecortesão com as suas “cousas de folgar” e as futilidades; a exaltação da beleza de uma mulher de condição servil, de olhos pretos e tez morena (a “Barbara, escrava”); a infelicidade presente e afelicidade passada.

Características da corrente renascentista

O estilo novo: soneto, canção, écloga, ode, entre outros.

Medida nova: decassílabos.

O amor surge, à maneira petrarquista, comofonte de contradições, entre a vida e a morte, a água e o fogo, a esperança e o desengano;

A concepção da mulher, outro tema essencial da lírica camoniana, em íntima ligação com a temática amorosa ecom o tratamento dado à Natureza (“locus amenus”), oscila igualmente entre o pólo platónico (ideal de beleza física, espelho da beleza interior), representado pelo modelo de Laura e o modelorenascentista de Vénus.

Delimitação cronológica

A lírica camoniana insere-se na chamada época clássica da literatura portuguesa (1526, regresso de Sá de Miranda da sua viagem a Itália – inícios do...
tracking img