linha do tempo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1638 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de dezembro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Linha do tempo da Historia da Psicologia

Iniciou com primeiros filósofos pré-socráticos - Também chamados naturalistas, buscavam o princípio das coisas. Se dedicavam a um conjunto de indagações como: Por que e como as coisas existem? O que é o mundo? Qual a origem da Natureza e quais as causas de sua transformação. A origem da ordem do mundo.

535 a.C – Heráclito Propunha que a matériabásica do Universo seria o fogo. Pensava também que a mudança constante, ou o fluxo, seria a característica mais elementar da Natureza. Podemos talvez dizer que Heráclito acreditava mais do que Parmênides naquilo que percebia. "Tudo flui", disse Heráclito.
475 a.C. - Paramênides “Nada nasce do nada e nada do que existe se transforma em nada”. Com isso quis dizer que “tudo o que existe sempre existiu”.429 a.C. Demócrito Pra ele as transformações que se podem observar na natureza não significavam que algo realmente se transformava. Ele acreditava que todas as coisas eram formadas por uma infinidade de "pedrinhas minúsculas, invisíveis, cada uma delas sendo eterna, imutável e indivisível". A estas unidades mínimas deu o nome de ÁTOMOS.
400 a.C. - Hipócrates relaciona características dapersonalidade com tipos físicos e propõe uma teoria fisiológica para as doenças mentais.
350 a.C. - Aristóteles salienta a observação objectiva do comportamento humano e propõe três princípios para explicar a associação de ideias.

Questionamentos como, pensamos a partir do que percebemos ou pensamos negando o que percebemos? O pensamento continua, nega ou corrige a percepção? O modo como os seres nosaparecem é o modo como os seres realmente são? Levaram a Grécia clássica, a duas atitudes filosóficas: a dos sofistas e a de Sócrates.

Sofistas: Questionaram a então sabedoria recebida pelos deuses e a supremacia da cultura grega (uma idéia absoluta à época). Argumentavam, por exemplo, que as práticas culturais existiam em função de convenções ou "nomos", e que a moralidade ou imoralidade deum ato não poderia ser julgada fora do contexto cultural em que aquele ocorreu. Tal posição questionadora levou-os a serem perseguidos, inclusive, por aqueles que se diziam amar a sabedoria, os filósofos gregos.
384 a.C. Sócrates Afirmava que a verdade pode ser conhecida, mas primeiro devemos afastar as ilusões dos sentidos e as das palavras ou das opiniões e alcançar a verdade apenas pelopensamento. Os sentidos nos dão as aparências das coisas e as palavras, meras opiniões sobre elas.
399 a.C. Platão Foi discípulo de Sócrates e mentor de Aristóteles ajudou a construir os alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia ocidental. Distinguiu quatro formas ou graus de conhecimento, que vão do grau inferior ao superior: crença, opinião, raciocínio e intuição intelectual.
350 a.C.Aristóteles Seus escritos abrangem diversos assuntos, como afísica, a metafísica, as leis da poesia e do drama, a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia e a zoologia. Ele distingue sete formas ou graus de conhecimento: sensação, percepção, imaginação, memória, raciocínio e intuição.
A Psicologia no Império Romano e na Idade Média uma das principais características desseperíodo é o aparecimento e desenvolvimento do cristianismo, uma força religiosa que passa a força política dominante. Falar de Psicologia nesse período é relacioná-la ao conhecimento religioso, já que ao lado do poder econômico e político, a Igreja Católica também monopoliza do saber e, conseqüentemente, o estudo do psiquismo.
Nesse sentido dois grandes filósofos representam esse período:
SantoAgostinho, inspirado em Platão, também fazia uma cisão entre a alma e o corpo, entretanto a alma não era somente a sede da razão, mas a prova de uma manifestação divina no homem.
São Tomás de Aquino foi buscar em Aristóteles a distinção entre essência e existência. Como o filósofo grego, considera que o homem, na sua essência, busca a perfeição através de sua existência. Afirma ainda, que...