Leitura

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1286 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
d) e) O texto que vem a seguir é de Jorge de Lima: O CURURU Tudo quieto, o primeiro cururu surgiu na margem, molhado, reluzente na semiescuridão. Engoliu um mosquito; baixou a cabeçorra; tragou um cascudinho; mergulhou de novo, e bum-bum! Soou uma nota soturna do concerto interrompido. Em poucos instantes, o barreiro ficou sonoro, como um convento de frades. Vozes roucas, foi não foi, tãs-tãs,bum-buns, choros, esgoelamentos finos de rãs, acompanhamentos profundos de sapos, respondiam-se. Os bichos apareciam, mergulhavam, arrastavam-se nas margens, abriam grandes círculos na flor d’água. (...) Daí a pouco, da bruta escuridão, surgiram dois olhos luminosos, fosforescentes, como dois vagalumes. Um sapo cururu grelou-os1 e ficou deslumbrado, com os olhos esbugalhados, presos naquela bonitezaluminosa. Os dois olhos fosforescentes se aproximavam mais e mais, como dois pequenos holofotes na cabeça triangular da serpente. O sapo não se movia, fascinado. Sem dúvida queria fugir; previa o perigo, porque emudecera; mas já não podia andar, imobilizado; os olhos feiíssimos, agarrados aos olhos luminosos e bonitos como um pecado. Num bote a cabeça triangular abocanhou a boca imunda dobatráquio. Ele não podia fugir àquele beijo. A boca fina do réptil arreganhou-se desmesuradamente; envolveu o sapo até os olhos. Ele se baixava dócil entregando-se à morte tentadora, apenas agitando docemente as patas sem provocar nenhuma reação ao sacrifício. A barriga disforme e negra desapareceu na goela dilatada da cobra. E, num minuto, as perninhas do cururu lá se foram, ainda vivas, para asentranhas famélicas. O coro imenso continuava sem dar fé do que acontecia a um dos seus cantores. Jorge de Lima. Calunga; O anjo. 3. ed. Rio de Janeiro, Agir, 1959. p. 160-1. QUESTÃO 1 Numa primeira leitura percebemos que o texto trata de animais: o cururu (certo tipo de sapo), o cascudinho, o mosquito e a serpente. Mas, num segundo momento, sabe-se que tais animais são representações de seres humanos.Quais são os indicadores que, no texto, nos permitem interpretar esses bichos como seres humanos? QUESTÃO 2 Entre os personagens do texto, há relações de dominação. a) Quem é o dominador? Quem é o dominado? b) Cite passagens do texto em que ocorram figuras concretas que simbolizam o tema da dominação. QUESTÃO 3 O texto fala de diferentes formas de dominação: um tipo de dominação exercidaunilateralmente, isto é, o dominador não conta com o consentimento do dominado; há outro tipo, bilateral, isto é, o dominador exerce o seu domínio com a aceitação do dominado. a) Qual é a forma de dominação unilateral? b) Qual é a forma de dominação bilateral? c) Qual é a estratégia usada pelo dominador para incutir no outro o desejo de ser dominado? QUESTÃO 4 Como se pode interpretar, dentro do contexto, osignificado da passagem: “O coro imenso continuava sem dar fé do que acontecia a um dos seus cantores” ? QUESTÃO 5 No texto, a noção de pecado vem associada a estados afetivos contraditórios, que levam a reações e impulsos contraditórios. Cite algumas dessas contradições. QUESTÃO 6 Como se sabe, depreende-se o significado das figuras pelo contexto em que elas aparecem, pelas correlaçõesestabelecidas entre as diferentes figuras espalhadas pelo texto. Levando em conta esse dado, assinale a alternativa em que é adequada a relação entre as figuras transcritas e o tema a que estão associadas. a) “Tudo quieto, o primeiro cururu surgiu na margem, molhado, reluzente na semiescuridão.” - O trecho pode ser considerado como a figurativização do tema da sedução. b) “Engoliu um mosquito; baixou acabeçorra; tragou um cascudinho; mergulhou de novo, e bumbum!” Trata-se da figurativização do tema da dominação primária, sem nenhuma estratégia de sedução. c) “Em poucos instantes, o barreiro ficou sonoro, como um convento de frades.”- É a figurativização do tema da alegria, do canto, da confraternização.

“Os bichos apareciam, mergulhavam, arrastavam-se nas margens, abriam grandes círculos na...
tracking img