Leitura de imagem de antropofagia 1929 de tarsila do amaral

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (771 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ANTROPOFAGIA 1929
O que o olho vê?
Duas pessoas nuas sentadas no chão, uma paisagem com cactos e folha de bananeira, sol, céu, nuvens.
O que o olho percebe?
Duas pessoas nuas sentadas no chãocom as pernas entrelaçadas, uma representa a figura de uma mulher sentada de frente com um seio grande, pernas grandes, pé grande com quatro dedos, a outra a figura de um homem sentado de lado com acabeça pequena levemente inclinada para frente, mãos sobre o joelho, pernas grandes dobradas, pé grande com quatro dedos posicionados no chão verde.
Por trás das pessoas uma paisagem com cactos em tomverde escuro, folha de bananeira, no tom verde claro, sol na cor laranja com amarelo, um chão verde e um céu azul claro com nuvens brancas.
O olho conta uma história.
Nesta tela temos a junção deduas obras que é “Abapuru” com “A Negra”.
O Abapuru significa “homem que come carne humana”, em tupi, aquela figura monstruosa, de pés enormes plantados no chão surgiu a ideia da terra, do homem nativoselvagem.
Tarsila do Amaral valorizou o trabalho braçal (corpo grande) e desvalorizou o trabalho mental (cabeça pequena).
A Negra foi criada pela artista a partir de uma foto de sua babá e também éfruto das historias contadas pelas mucamas da fazenda em sua infância.
A partir dessas fases das artes brasileiras, pode-se ler na obra Antropofagia de 1929.
* No plano das formas e dacomposição das imagens: repetem-se criaturas deformadas, humildes, caipiras, bucólicas, sombrias, grandes membros, cabeça pequena, terra-mãe, cacto, folha de bananeira.
* “No plano temático: a ausência derecalques de Freud, em especial, da vergonha de ficar pelado” aspecto notável na nudez primitiva espontânea das personagens;
Cacto e pedras
O hábito de viver se limitando
ao hábito de persistir,como pedras ao sol,
como cacto no deserto,
como pedras, como cacto.
Que ciência  mais profunda
que esta ausência de sabedoria
encontrável nos desertos?
O deserto nos ensina
por não...
tracking img