Lei seca

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (784 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Em 3 dias, 42 são presos no país por dirigir após beber

JOHANNA NUBLAT
ANGELA PINHO
da Folha de S.Paulo
No primeiro final de semana de vigência da lei que aumenta a punição para quem dirigirapós consumir álcool, pelo menos 42 pessoas foram presas e multadas em nove Estados -AL, CE, GO, MG, SP, PR, RS, SC e BA-, segundo balanço preliminar da Polícia Rodoviária Federal e dados da PolíciaMilitar em São Paulo.
A lei, que entrou em vigor na sexta e prevê multa, apreensão do veículo, perda da carteira e até prisão, vale para qualquer via pública ou estrada.
Das 42 prisões, 38 ocorreram emestradas federais e quatro em blitze da PM -entre a noite de sexta e a de domingo- na capital paulista.
Os demais Estados não apresentaram dados sobre prisões ou multas. As 38 pessoas foram pegas,diz a PRF, no teste do bafômetro com concentração de álcool acima do limite fixado -igual ou superior a 0,3 mg de álcool por litro de ar expelido.
Outras 42 foram apenas autuadas, totalizando 84pessoas multadas nos três dias apenas nas rodovias federais.
Como é um balanço preliminar, a polícia não soube fazer uma comparação do total de prisões e multas com a média normal de um fim de semana sob alegislação anterior.
A nova lei prevê que quem apresentar 2 decigramas de álcool por litro de sangue -o equivalente a um chope- será multado em R$ 955, perderá o direito de dirigir e terá o veículoretido. A partir de 6 decigramas (dois chopes), a punição será acrescida de prisão. A pena varia de seis meses a três anos e é afiançável.
O decreto que regulamenta a lei estabelece uma "margem detolerância", a ser sugerida pelo Ministério da Saúde para pessoas que podem ter concentração de álcool no sangue alterada por medicamentos. A margem ainda não foi definida.
Por considerar "exagero" alei que proíbe o motorista de ingerir qualquer quantidade de álcool antes de dirigir, a Federação Nacional de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares estuda recorrer ao STF (Supremo Tribunal...
tracking img