Ldap

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2855 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
TRABALHO

INTRODUÇÃO
O LDAP (Lightweight Directory Access Protocol) é uma tecnologia em rápido crescimento de acesso a informação contida em diretórios. Uma vez que é um standard aberto, independente da implementação, o LDAP fornece uma arquitetura extensível para o armazenamento centralizado e gestão de informação que necessite de estar disponível para os sistemas e serviços distribuídos dosdias de hoje.
Tal como o DNS (Domain Name System) é usado como sistema de procura de endereços IP em praticamente todas as redes (locais ou Internet), também o LDAP se impôs rapidamente como o método de acesso a informação contida em diretórios. É suportado por praticamente todos os sistemas operativos de rede.
Convém, no entanto, esclarecer alguns conceitos básicos, para melhor se perceber oque é, e para que serve o LDAP.
Um diretório no contexto do LDAP, ao contrário do que o nome pode sugerir, não são as pastas de um disco rígido ou de uma disquete. A designação ‘diretório’ provém apenas da similaridade da estrutura utilizada para guardar a informação com as árvores de diretórios dos discos rígidos. Um diretório é então uma base de dados especializada ou otimizada para leitura epesquisa. É concebida para ser acedida muito mais frequentemente do que atualizada. A informação guardada em diretórios tem tendência a ser mais estática, do que aquela que habitualmente é guardada numa base de dados relacional.
Por exemplo, para guardar informação acerca de impressoras (a sua localização, o modo de se aceder, em que piso está) deve-se utilizar um diretório, pois é informação poucosuscetível de se alterar frequentemente, enquanto que para se guardar informação acerca dos trabalhos em espera para serem imprimidos numa determinada impressora, já se deve utilizar um modelo de bases de dados mais clássico, pois é informação que está constantemente a ser atualizada.
Nas bases de dados genéricas, utiliza-se normalmente um método de acesso muito poderoso, o SQL, que permite fazerperguntas complexas à base de dados, mas com o custo do tamanho e complexidade do programa. O LDAP é um protocolo de acesso simplificado e optimizado, que pode ser usado em aplicações “leves” e relativamente simples de implementar.
O LDAP é portanto um protocolo para aceder a serviços de diretório, como inserir, consultar e modificar informação. O modelo de funcionamento é o de cliente-servidor.É um standard e por isso implementações diferentes são compatíveis (um cliente da Novel pode aceder a um servidor OpenLDAP).

COMO SURGIU O LDAP
Nos anos 70, a integração das comunicações com as tecnologias da computação levaram ao desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação. Muitos dos sistemas proprietários que eram desenvolvidos eram incompatíveis com outros sistemas. Tornou-senecessário o surgimento de standards para permitirem que equipamento e sistemas de diferentes fornecedores interagissem entre si. Isto resultou em duas abordagens distintas na forma de produzir standards.
Uma abordagem foi a proposta da ISO, que se baseava no modelo OSI (baseado em camadas) e definia standards usando um processo formal de comités, sem requerer implementações.
Outra abordagem menosformal e mais dinâmica, foi crescendo na Internet. Qualquer pessoa podia propor ou comentar um standard sobre a forma de um RFC (Request For Comments). Depois de ser aprovado, implementado e usado por um período de tempo, tornava-se eventualmente num standard (STD).
Os protocolos da OSI desenvolveram-se lentamente, e uma vez que correr toda a pilha de protocolos OSI consumia muitos recursos, estemodelo acabou por não singrar efetivamente, especialmente no mercado dos computadores mais pequenos. Entretanto, o TCP/IP e a Internet estavam a desenvolver-se rapidamente e a ser postos em prática. Contudo, os protocolos da OSI trataram assuntos importantes em sistemas largamente distribuídos, entre os quais os serviços de diretórios. O CCITT, parceira da ISO, criou o standard X.500 em 1988. O...
tracking img