laudo SPDA

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 21 (5131 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de agosto de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto








PROJECTO IGREJA SEGURA

_____________

MODELO TIPO
de
PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO
















Versão ABRIL/2006
(Adaptado do “Plano de Emergência para Estabelecimentos de Ensino” – 1999 – S.N.P.C. e P.C. da C.M.Lisboa pelo Eng. José Cartaxo Vicente )


INDICE
CONSIDERAÇÕES GERAISA – Introdução
B – Conceito de Plano de Emergência Interno (P.E.I.)
C – Necessidade de elaboração do PEI
D – Objectivos gerais
E – Objectivos específicos
F – Apoio técnico
G – Configuração do PEI

ELABORAÇÃO DO PEI
(PLANO DE MERGÊNCIA INTERNO)

1 – Promulgação
2 – Análise prévia
2.1. – Caracterização do edifício
2.2. – Identificação dos riscos
2.3. – Identificação dos meioshumanos e materiais
3 – Organização da segurança
3.1. Estrutura interna da segurança
3.2. Plano de intervenção
3.3. Plano de evacuação
4 – Instruções de segurança
4.1. Instruções gerais
4.2. Instruções particulares
4.3. Instruções especiais
5 – Formação e exercícios
5.1. Formação
5.2. Exercícios/simulacros
6 – Anexos
6.1. Lista de páginas em vigor
6.2. Lista de Revisões e Alterações6.3. Lista de distribuição
6.4. Siglas e abreviaturas
6.5. Telefones de contacto
6.6. Plantas de emergência













CONSIDERAÇÕES GERAIS
















A – Introdução
Com a iniciativa e coordenação do I.S.P.J.C.C., através do seu Museu e Arquivos Históricos da Polícia Judiciária, foi lançado, a nível nacional, o PROJECTO IGREJA SEGURA (P.I.S.). Visa,fundamentalmente, melhorar as condições de conservação e segurança das nossas igrejas e outros templos, de forma a que possam estar mais tempo abertos ao público, expondo bens culturais de carácter religioso que constituem, afinal, a grande percentagem do património histórico e artístico português.
Contando com o apoio de um grupo de parceiros, o PIS desenvolve-se em três eixos:
1) exposição itinerantemultimédia SOS Igreja;
2) “igrejas piloto” nas Dioceses e Misericórdias;
3) acções de formação sobre segurança e conservação, ministradas por equipas de técnicos especializados.
Em apoio à acções descritas no parágrafo anterior, são fornecidos Manuais de Segurança e Conservação aos responsáveis das igrejas e seus colaboradores.
O “Manual básico de segurança”, já distribuído, refere aimportância da intervenção e da organização, pelo que se torna oportuno facultar este modelo tipo de um Plano de Emergência Interno ( que numa versão mais simples se poderá chamar, somente, “procedimentos de emergência”), de forma a que o responsável de cada igreja possa implementar um conjunto de procedimentos organizativos dos meios humanos e materiais disponíveis.

B – Conceito de Plano de EmergênciaInterno
Um Plano de Emergência Interno (PEI) é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras de procedimentos para minimizar os efeitos de acidentes e catástrofes que possam vir a ocorrer, colocando em risco a vida das pessoas que trabalham ou visitam um edifício ou recinto, causando danos nessa mesma construção e afectando o ambiente envolvente.
É um documento preventivo e degestão operacional, pois, ao identificar os riscos e os meios humanos e materiais existentes, estabelece os procedimentos para fazer face ao acidente, através da organização e utilização daqueles meios.
É um documento constituído por peças escritas e desenhadas que deve ser revisto anualmente ou sempre que houver alterações nos meios humanos e materiais, na cupação ou na exploração do edifício ourecinto.


C. Necessidade da elaboração do PEI
A elaboração do PEI permite criar um documento de apoio à formação e treino dos ocupantes, assim como de informação às forças de socorro e de intervenção externa, para além de ser um guião em situação real de emergência.
Tal implica ser constituído por:
- caracterização das instalações e infra-estruturas de apoio
- identificação dos riscos
-...