Kurose redes de computadores

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1975 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Camada de rede
Introdução  Redes de circuitos virtuais e de datagramas  O que há dentro de um roteador?  IP: Internet Protocol

   



Algoritmos de roteamento
  

estado de enlace vetor de distâncias roteamento hierárquico



formato do datagrama endereçamento IPv4 ICMP IPv6

Roteamento na Internet
  

RIP OSPF BGP



Roteamento broadcast e multicastslide 1

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Roteamento intra-AS
também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP)  protocolos de roteamento intra-AS mais comuns:

 RIP:

Routing Information Protocol Open Shortest Path First

 OSPF:  IGRP:

Interior Gateway roteamento Protocol (proprietário da Cisco)

slide 2

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todosos direitos reservados.

Camada de rede
Introdução  Redes de circuitos virtuais e de datagramas  O que há dentro de um roteador?  IP: Internet Protocol

   



Algoritmos de roteamento
  

estado de enlace vetor de distâncias roteamento hierárquico



formato do datagrama endereçamento IPv4 ICMP IPv6

Roteamento na Internet
  

RIP OSPF BGP



Roteamentobroadcast e multicast

slide 3

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

RIP (Routing Information Protocol)
algoritmo de vetor de distância  incluído na distribuição BSD-UNIX em 1982  métrica de distância: # de saltos (máx. = 15 saltos)

Do roteador A às sub-redes: u v w destino u v w x y z saltos 1 2 2 3 3 2

A

B

z

C

D

x y

slide 4

© 2010Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Anúncios RIP
 vetores

vizinhos a cada 30 s por meio de mensagem de resposta (também conhecida como anúncio)  cada anúncio: lista de até 25 sub-redes de destino dentro do AS

de distância: trocados entre

slide 5

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

RIP: Exemplo
z w A x D C
Rede de destino

B

y

wy z x

Roteador seguinte

….

….

A B B --

Núm. saltos até dest.

....

2 2 7 1

tabela de roteamento/repasse em D
slide 6 © 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Destino Próx. saltos w 1 x 1 z C 4 …. … ...

anúncio de A para D

z x D C B y

w

A

Rede de destino até dest.
w y z x

Roteador seguinte
A B B A --

Núm. saltos
2 2 7 5 1

….slide 7

tabela de roteamento/repasse em D

….

....

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

RIP: falha e recuperação do enlace
se nenhum anúncio for ouvido após 180 s --> vizinho/enlace declarado morto  rotas via vizinho invalidadas  novos anúncios enviados aos vizinhos  vizinhos por sua vez enviam novos anúncios (se não houver tabelas alteradas)  informaçãode falha do enlace rapidamente (?) se propaga para rede inteira  reversão envenenada usada para impedir loops de pingue-pongue (distância infinita = 16 saltos)

slide 8

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Processamento de tabela RIP
tabelas de roteamento RIP controladas por processo em nível de aplicação chamado routed (daemon)  anúncios enviados em pacotesUDP, repetidos periodicamente

routed transporte (UDP) rede (IP) enlace física
slide 9

routed transporte (UDP)

tabela repasse

tabela repasse

rede (IP) enlace física

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Camada de rede
Introdução  Redes de circuitos virtuais e de datagramas  O que há dentro de um roteador?  IP: Internet Protocol

   

Algoritmos de roteamento
  

estado de enlace vetor de distâncias roteamento hierárquico



formato do datagrama endereçamento IPv4 ICMP IPv6

Roteamento na Internet
  

RIP OSPF BGP



Roteamento broadcast e multicast

slide 10

© 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

OSPF (Open Shortest Path First)
“open”: publicamente disponível  usa algoritmo...
tracking img