Keynes e a economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 85 (21208 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Assunto:
ECONOMIA

Conteúdo:
1. Introdução pág. 02
2. Investimento em KEYNES e KALECKI pág. 03
3. Os modelos em Debate pág. 18
4. O Investimento em Capital fixo no Brasil pág. 29
5. Conclusões e Recomendações pág. 49

Autor:
Desconhecido

CAPÍTULO 1

1 - INTRODUÇÃO
O princípio da demanda efetiva nos ensina que acondição fundamental para que um investimento seja realizado é a expectativa de que ele seja lucrativo. Como esta expectativa se sustenta em bases precárias e futuras, a decisão de investir se torna extremamente dinâmica. A importância desta questão reside no fato de que o emprego, a renda e conseqüentemente a poupança resultam desta decisão. O investimento é o motor da dinâmica econômica.Identificar os fatores que determinam o investimento é explicar a dinâmica do capitalismo.
Focalizar o investimento é fundamental para tratar das questões mais importantes de sistema econômico no longo prazo. Cruz (1988) acredita que a literatura ainda não foi capaz de dominá-lo completamente, nem teoricamente e nem para fins de política econômica.
Conforme Cruz (1988) o debate no Brasil sobre aperspectiva de manutenção de uma taxa satisfatória de crescimento sinaliza as seguintes razões para justificar o volume de investimento insuficiente: (i) os argumentos que atribuem a falta de investimentos à demanda efetiva acreditam que o perfil e a instabilidade da distribuição da renda e uma taxa de juros excessivamente elevada resultou numa baixa capacidade de consumo. Além disto, a instabilidadeeconômica e a redução dos investimentos públicos teriam colocado o investidor numa posição de cautela e inviabilizado um poderoso efeito estimulador do investimento privado; (ii) os argumentos de restrições na disponibilidade de fundos para investir sustentam que o Brasil presenciou uma escassez de fundos para investimento, em função de uma baixa capacidade de poupança, da instabilidade das taxas dejuros, do vazamento de recursos para o pagamento e rolagem da dívida externa e da redução do investimento direto estrangeiro; (iii) por fim, o desenvolvimento incipiente de ciência e tecnologia, acompanhado de um mercado excessivamente protegido, não teria estimulado a busca de vantagens competitivas através de inovações tecnológicas.
O objetivo principal deste trabalho, portanto, é identificaros determinantes do investimento em capital fixo do setor privado no Brasil, com particular preocupação em identificar a aplicabilidade do princípio da demanda efetiva (PDE). Uma análise descritiva da bibliografia acerca do tema e uma avaliação de dados para o período compreendida entre 1980 e 1990 foi a metodologia básica utilizada.
Os dados encontram-se em cruzeiros reais (moeda nacional) apreço de 1980 por estarem assim mais facilmente disponíveis. Embora os valores em dólares não expressem o comportamento real (descontada a desvalorização das moedas) das variáveis, devido a influência cambial, estes permitem uma visualização próxima destes valores. Este é o único motivo da presença das séries em dólar, pois toda a interpretação teórica e até mesmo as correlações é realizada a partirdos dados em cruzeiros reais.
A comparação entre DE (I0 + C0) e FBCF (I0) com valores do mesmo período, resulta numa redundância, pois confronta-se a mesma variável (o investimento). Este problema é superado pela comparação destas variáveis para diferentes períodos. Ou seja, comparando DE do período to (I0 + C0) e FBCF do período t1 (I1) a redundância não ocorre e capta-se a real influência da DEsobre a FBCF. Isto é teoricamente aceitável, porque o investimento não reage de forma imediata quando ocorre um estímulo, basicamente, devido a capacidade ociosa é da espera de confirmação sobre a consistência deste estímulo.
A mesmo redundância ocorre ao comparar-se a poupança com a FBCF, tendo em vista que por definição da contabilidade nacional estes são iguais, e conseqüentemente a...
tracking img