Iu - incontinência urinária

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2591 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
INCONTINÊNCIA URINÁRIA – IU


Incontinência urinária é a perda involuntária da urina pela uretra. É um distúrbio mais frequente no sexo feminino, definida também como a saída involuntária da urina em horas e locais inadequados. Ela leva ao isolamento, depressão, perda da auto-estima e má saúde.

A IU é causada pelo aumento da pressão intra-abdominal, ineficácia da musculatura do assoalhopélvico, dentre outros inúmeros fatores. A desinformação torna-se um problema incurável. Estudos relatam que no Brasil cerca de 45% da população tenha IU, desses 50% apresentem Incontinência Urinaria de Esforço (IUE), 20% tenham Incontinência Urinaria de Urgência (IUU) e 30% apresentem sintomas mistos (IUE + Instabilidade Vesical).

A prevalência da incontinência urinária aumenta com a idade,mas não é parte inevitável do envelhecimento. Há sempre uma condição médica subjacente que deve ser identificada e corrigida independente da idade, seja por fisioterapia, medicamentos, cirurgia ou uma combinação desses.

FISIOLOGIA DA MICÇÃO

O conhecimento do funcionamento do trato urinário inferior, bem como dos mecanismos de manutenção da continência urinária são fundamentais paracompreensão de tratamento das diversas afecções uroginecológicas, tais como incontinência urinaria de esforço, incontinência urinaria de urgência e outras (BEREK, 1998).

O ato de micção compreende duas fases: armazenamento ou enchimento vesical e esvaziamento ou expulsão, envolvendo funções antagônicas da bexiga e uretra. A micção e a continência urinária estão sob a coordenação de complexos eventosneurológicos entre sistemas nervosos central e sistema nervoso periférico, que garantem o ato miccional (SAMPAIO, 1999). A interação entre sistemas nervoso central, sistema nervoso periférico e trato urinário inferior dá-se através de níveis de controle miccionais, circulatórios neurológicos e reflexos da micção.
Segundo Guyton e Hall (2002), o processo de micção envolve duas etapas principais: 1ªa bexiga enche-se progressivamente, até que a tensão nas suas paredes ultrapasse o nível limiar, o que, então, desencadeia a segunda etapa; 2ª ocorre um reflexo nervoso, denominado reflexo da micção, que esvazia a bexiga, ou, se isso falhar, produz pelo menos o desejo consciente de urinar. Apesar de o reflexo da micção ser um reflexo medular autonômico, ele também pode ser inibido, ou facilitado,por centros situados no córtex cerebral ou no tronco cerebral.
Quando não há urina na bexiga, a pressão intravesical fica em torno de zero, mas quando são acumulados de 30 a 50 ml de urina, a pressão se eleva para 5 a 10 cm de água. Pode ocorrer acúmulo adicional de urina - 200 a 300 ml - apenas com pequena elevação adicional da pressão; esse nível constante de pressão é produzido pelo tônusintrínseco da própria parede vesical. Além de 300 a 400 ml, o acúmulo de mais urina na bexiga provoca rápida elevação da pressão. À medida que a bexiga se enche, começam a aparecer inúmeras contrações de micção superpostas. Essas contrações resultam do reflexo de estiramento iniciado por receptores sensoriais de estiramento da parede vesical, particularmente pelos receptores situados na uretraposterior, quando essa área começa a se encher de urina nas pressões vesicais mais altas. Os sinais sensoriais dos receptores de estiramento vesical são conduzidos até os segmentos sacros da medula espinhal pelos nervos pélvicos e, a seguir, retornam, reflexamente, para a bexiga, por meio das fibras nervosas simpáticas dos mesmos nervos.
O sistema nervoso autônomo (simpático): origina-se na medulaespinhal, entre os segmentos T10 a T12 e é representado principalmente pelo nervo hipogástrico, atuando, portanto principalmente na fase de armazenamento. O sistema nervoso autônomo (parassimpático): origina-se na medula sacral entre os segmentos S2 e S4, e é representado principalmente pelo nervo pélvico, atuando, portanto principalmente na fase de esvaziamento vesical.
À medida que a bexiga...
tracking img