Isolamento de cryptococcus laurentii em excretas de stephanophorus diadematus no sul do brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (373 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Isolamento de Cryptococcus laurentii em excretas de Stephanophorus diadematus no sul do Brasil

Pôster

VIEIRA, V. S. C. Laboratório de Micologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal dePelotas, viviseixasvieira@live.com
MENDES, J. F. Departamento de Farmacologia, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
NASCENTE, P. S. Departamento de Microbiologia eParasitologia, Instituto de Biologia, Universidade Federal de Pelotas, patsn@bol.com.br

Stephanophorus diadematus (Sanhaçu Frade, Azulão-da-serra, Cabeça-de-velha) é ave que vive aos casais em matasdensas e grotões das serras, encontrados no sul do Brasil. Alimentam-se basicamente de frutos, sementes e brotos. Criptococose é uma micose subaguda ou crônica, cosmopolita que acomete o homem,animais domésticos e silvestres. Leveduras do gênero Cryptococcus spp. podem ser isoladas do ar, água, solo, excretas de aves, superfície de animais e da madeira em decomposição. Duas principais espéciespatogênicas são C. neoformans e C. gatii. C. laurentii é considerado um patógeno humano emergente, causando infecções exclusivamente em imunocomprometidos. O objetivo deste é relatar a presença defungo potencialmente patogênico em excretas de Sanhaçu Frade em Centro de Triagem da Universidade Federal de Pelotas - Brasil. A ave foi recebida no Núcleo de Reabilitação da Fauna Silvestre da UFPELquando foi realizada coleta de excretas para processamento no Laboratório de Micologia do Instituto de Biologia/UFPEL. Foi pesado 1g, macerado e transferido para 10ml de solução salina. Depois dehomogeneizado em vórtex por 3 min. foi mantido em repouso por 30 min. e após transferiu-se 1ml do sobrenadante para outro tubo com 9ml de salina e 5mg de cloranfenicol. Alíquotas de 100μl foram semeadaspela técnica de espalhamento com alça de Drigalski em placas contendo ágar Níger e ágar Sabouraud com cloranfenicol e incubadas à 30ºC por até sete dias. A identificação foi realizada pela macro e...
tracking img