Islamismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1698 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
O ISLÃO

Generalidades

“Deus pode estar morto no Ocidente, mas está muito vivo no Médio Oriente”.

Para compreender o mundo árabe é necessário pensar em termos árabes e ver o mundo através dos olhos árabes. Só assim é possível ter uma perspectiva profunda do Islão e do seu papel no mundo actual.

O Islamismo é a religião em maior expansão no mundo, contando cerca de um biliãode crentes em mais de 75 países, desde Marrocos à Indonésia. O Islão expandiu-se a partir da Arábia, onde teve o seu início no séc. VII, até ao Norte de África e o Sul da Ásia. No séc. VIII, o Islão controlava um império mais vasto que o de Roma ou de Alexandre Magno.

Nem todos os árabes são muçulmanos (cerca de 10% são cristãos). Da mesma forma, nem todos os muçulmanos são árabes. Porexemplo, os iranianos não são árabes, mas os sírios e os iraquianos já o são.

Islão significa “submissão a Alá”. Muçulmano é “aquele que se submete”. Actualmente o Islão está dividido em dois ramos principais: os Sunnis e os Shiitas. Os Sunnis representam cerca de 90% de todos os muçulmanos. Os Shiitas localizam-se principalmente no Irão, Iraque, Iémene e Omã.

O Islão é um modo de vida.A fé muçulmana vive-se. O Islão guia o pensamento e a acção dos crentes. A religião e a vida são inseparáveis.

No Islão não existe nenhuma autoridade ou hierarquia institucional, como no Cristianismo. Ulemas, mullahs, mujtahids e ayatollahs são nomes que se dão aos estudiosos e mestres do Islão.

Princípios básicos do Islão

Confissão de fé (Shahadah) – “Só Alá é Deus e Maomé o SeuProfeta”.

O Corão (revelado a Moisés pelo Arcanjo Gabriel) – Contém 114 capítulos (Suras) e representa a Palavra de Deus para os Muçulmanos, completando a Bíblia. O Islão não é contrário à fé judaico-cristã e reconhece Adão, Abraão, Moisés e Jesus como profetas de Deus. O próprio Maomé é descendente de Abraão, via Ismael, segundo a genealogia bíblica. Para os fiéis do Islão, ele é o maiore o último (“o selo”) dos profetas.

Tradições de Maomé – Sunna (o que o profeta fez) e Hadith (o que Ele disse).

Prática do Islão

Cinco vezes ao dia, os fiéis rezam, voltados para Meca. Sexta-feira é um dia especial de oração pública nas mesquitas. Durante o Ramadão, o nono mês do ano islâmico, os fiéis jejuam desde o nascer até ao pôr-do-sol. Pelo menos uma vez na vida, osmuçulmanos devem fazer uma peregrinação a Meca (hajj). Socorrer financeiramente os pobres, idosos e órfãos é uma das obrigações impostas pelo Corão que proíbe a carne de porco (tal como a Bíblia), o álcool e os jogos de azar.

Cidades santas do Islão: Meca e Medina, na Arábia Saudita, e Jerusalém, em Israel. Em Meca, terra natal de Maomé, encontra-se a Grande Mesquita, no centro da qual se ergue aCaaba (Pedra Santa).

Os governos muçulmanos vão desde monarquias semi-feudais (Arábia Saudita, Koweit), até democracias parlamentares (Egipto). Mas em todos os países governados pelo Islão, há união entre a Igreja e o Estado. O governo é um instrumento para realizar o bem no mundo. O Corão contém uma série de regras de ordem legal e social para se alcançar a felicidade, prosperidade ebem-estar nesta vida, embora o Inferno e o Paraíso também estejam descritos no Corão.

Código de justiça corânico (Sharia) – Aos olhos do Ocidente, parece bárbaro e cruel, devido à severidade das punições: a um ladrão inveterado, a pena é a amputação da mão direita; fornicação – 100 chicotadas em público; falso testemunho – 80 chicotadas. É claro que o índice de criminalidade nos paísesmuçulmanos é substancialmente mais baixo que no Ocidente.

A lei Sharia de “olho por olho e dente por dente” é, em essência, similar às leis civis e criminais do Antigo Testamento. As provas contra os acusados devem ser muito exactas e claras. Por exemplo, o adultério, punível com pena de morte, exige quatro testemunhas oculares para a condenação. De notar que o terrorismo e a captura de reféns...
tracking img