Introdução a economia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 26 (6273 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
E C O N O M I A

ANTIGUIDADE

NA GRÉCIA HOUVE PREDOMINANCIA DO PENSAMENTO FILOSÓFICO SOBRE O ECONÔMICO. DESPREZAVAM AS RIQUEZAS E PREGAVAM A IGUALDADE SOCIAL E CRIARAM INÚMERAS IDÉIAS POLÍTICAS.

ROMA NÃO DEIXOU NENHUM ESCRITO NOTÁVEL SOBRE ECONOMIA, MAS SOBRE JUSTIÇA E MORAL. LEI DA USURA, A IMORALIDADE DOS JUROS ALTOS E O LUCRO JUSTO.

O DECLÍNIO DO FEUDALISMO OCORRE PELA EXPANSÃODO COMÉRCIO E DA MANUFATURA DAS CIDADES E COM A AMPLIAÇÃO DO PODER DA MONARQUIA.

MERCANTILISMO

PREOCUPAVA-SE COM A POLÍTICA ECONÔMICA DE SALDOS FAVORÁVEIS NA BALANÇA COMERCIAL

ESTOQUE DE METAIS PRECIOSOS E O PODER DO ESTADO.

ESTÍMULO AS EXPORTAÇÕES E RESTRIÇÃO AS IMPORTAÇÕES.

OS DESLOCAMENTOS E VIAGENS MARÍTIMAS TINHAM À FUNÇÃO DE COMÉRCIO.

ESTIMULOU LUTAS, INVASÕES, GUERRAS EEXARCEBOU O NACIONALISMO.

FISIOCRACIA

REAÇÃO CONTRA O MERCANTILISMO NO INÍCIO DO SÉCULO. XVIII.

DESNECESSIDADE DE O GOVERNO SER REGULADOR, POIS A LEI DA NATUREZA ERA SUPREMA.

EXPOENTE FRANÇOIS QUESNAY.

ATIVIDADES ECONÔMICAS: AGRICULTURA, PESCA E MINERAÇÃO.

ESCOLA CLÁSSICA

ADAM SMITH = 1723-1790

OBRA “A RIQUEZA DAS NAÇÕES”;

O BEM ESTAR DAS NAÇÕES, MEDIDO POR SUA RENDAPER CAPITA;

A RIQUEZA DAS NAÇÕES TRADUZIDA PELO TRABALHO HUMANO;

INFLUÊNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRAL

A EXISTÊNCIA DE LIVRE INICIATIVA LAISSEZ FAIRE;

DIVISÃO DO TRABALHO COMO FATOR DECISIVO NA GERAÇÃO DO PRODUTO NACIONAL E DO AUMENTO DA DESTREZA PESSOAL;

ECONOMIA DE TEMPO E NOVAS TÉCNICAS DO TRABALHO;

MÍNIMA PARTICIPAÇÃO DO ESTADO.

THOMAS MALTHUS = 1766-1834

PESSIMISTA, PREGAVAA ADAPTAÇÃO DO SER HUMANO ÀS EXIGÊNCIAS DA NATUREZA;

AS CAUSAS DOS MALES ESTAVAM NA PROCRIAÇÃO E NA FERTILIDADE HUMANA;

SUA PREOCUPAÇÃO ERA QUE ENQUANTO A POPULAÇÃO CRESCIA EM PROGRESSÃO GEOMÉTRICA A PRODUÇÃO DE ALIMENTOS CRESCIA EM PROGRESSÃO ARITMÉTICA;

ACEITAVA A GUERRA COMO UMA DAS SOLUÇÕES PARA INTERROMPER O CRESCIMENTO POPULACIONAL E DISPONIBILIZAR RECURSOS PARA TODOS.

DAVIDRICARDO = 1772-1823

PUBLICOU “PRINCÍPIOS DA ECONOMIA POLÍTICA E DA TRIBUTAÇÃO” CUJA CONTRIBUIÇÃO FOI BASEADA NA TEORIA DA DISTRIBUIÇÃO DO EXCEDENTE ENTRE AS DIVERSAS CLASSES SOCIAIS;

TEORIA DO VALOR E A TEORIA DA REPARTIÇÃO:

A PRIMEIRA ASSUME QUE O VALOR DE UMA MERCADORIA É DETERMINADA PELA QUANTIDADE DE TRABALHO NELA INCORPORADA.

A SEGUNDA REFERE-SE À REPARTIÇÃO E À DIVISÃO DO PRODUTONACIONAL, ENTRE AS DIVERSAS CLASSES SOCIAIS QUE PARA ELE ERAM TRÊS: LATIFUNDIÁRIOS, CAPITALISTAS E OPERÁRIOS.

FICOU AO LADO DOS CAPITALISTAS, POR ENTENDER QUE SÓ COM INVESTIMENTOS TEM-SE CRESCIMENTO ECONÔMICO.

O INVESTIMENTO É PARTE DO LUCRO APLICADO NA PRODUÇÃO.

JOHN STUART MILL = 1806-1873

OBRA MAIS FAMOSA “PRINCÍPIOS DA ECONOMIA POLÍTICA” ELE SINTETIZOU A DOUTRINA CLÁSSICA DOS SEUSANTECESSORES.

KARL MAX 1818-1883

PRINCIPAL OBRA: “O CAPITAL”

OS CONCEITOS MAIS IMPORTANTES FORAM O CAPITAL, O VALOR, A CLASSE SOCIAL, A MAIS-VALIA, A FORÇA DE TRABALHO E A MERCADORIA.

PARA MAX O FATOR PRODUTIVO CAPITAL SURGE COM A BURGUESIA, QUE É A CLASSE SOCIAL QUE SE DESENVOLVE APÓS O SISTEMA FEUDAL E SE APROPRIA DOS MEIOS DE PRODUÇÃO.

NESSA RELAÇÃO CONSIDERAM-SE COMO PRINCIPAISMEIOS DE PRODUÇÃO O CAPITAL E A FORÇA DO TRABALHO.

NESTE MODELO DE CAPITALISMO PURO EXISTEM DUAS CLASSES: OS PROPRIETÁRIOS DOS MEIOS DE PRODUÇÃO – CAPITALISTAS E O PROLETARIADO QUE É OBRIGADO A VENDER SUA FORÇA DE TRABALHO, DADA A IMPOSSIBILIDADE DE PRODUZIR PARA SOBREVIVER.

DE ACORDO COM A TEORIA MAXISTA O VALOR DE UMA MERCADORIA DEVERIA SER IGUALADO AO TEMPO DE TRABALHO SOCIALMENTENECESSÁRIO PARA SUA PRODUÇÃO.

DESTA FORMA DEVEMOS CONSIDERAR O CONCEITO DA MAIS-VALIA COMO A PRINCIPAL TEORIA DE MAX.

REFERE-SE À DIFERENÇA ENTRE O VALOR DAS MERCADORIAS QUE OS TRABALHADORES PRODUZEM, EM DADO PERÍODO DE TEMPO, E O VALOR DA FORÇA DE TRABALHO VENDIDA AOS EMPREGADORES.

OS LUCROS, JUROS E ALUGUÉIS (RENDIMENTOS DE PROPRIEDADES) REPRESENTAM A EXPRESSÃO DA MAIS-VALIA.
É O VALOR QUE...
tracking img