introdução de frutas e hortalicas em pré escolares

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 5 (1107 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 13 de novembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução
Estima-se que o consumo de frutas e hortaliças no Brasil corresponda a menos da metade das recomendações nutricionais, sendo ainda mais deficiente entre as famílias de baixa renda.3 Não foram encontrados estudos brasileiros sobre esse consumo. Porém, estudo5 realizado em outro país em desenvolvimento destaca entre os limitantes do baixo consumo de frutas e hortaliças: preçoselevados (diante dos demais alimentos e em comparação com a renda das famílias); sistemas ineficientes de produção, distribuição e comercialização; e desconhecimento da população sobre a importância daqueles alimentos para a saúde, sobretudo com relação a hortaliças.(JAIME I,2006)
Certamente, um espaço extremamente complexo e desafiador, onde, dentre as muitas práticas escolares, está a alimentaçãoescolar. Esta atividade em quase a totalidade das escolas é cotidiana, acontece nos mesmos horários e com uma cultura de preparação, distribuição e consumo bastante particular da escola. Há aquelas em que os estudantes comem com o prato sobre a mesa da carteira, outros em que comem em refeitórios, outros ainda em pé e há também os que, por opção, não se utilizam desse serviço. Há um cotidiano.Baseando-nos em Bourdieu9, pode-se afirmar que há um habitus que se institui no espaço escolar relativo à alimentação que ali se oferece. (BARBOSA I, 2013)
A fase da infância apresenta importantes aspectos para a formação de hábitos e práticas comportamentais em geral, e especificamente alimentares. Inserida no contexto familiar, a criança começa a formar e internalizar os padrões de comportamentoalimentar, em termos de escolha e quantidade de alimentos, horário e ambiente das refeições. Trata-se de um processo que se inicia nesta fase e se estende por todas as demais fases do ciclo de vida. (YOKOTA, 2010).
A estratégia de promoção da saúde na escola envolve vários atores sociais, como alunos, professores, coordenadores, donos de cantinas e pais ou responsáveis, permitindo uma abordagemdialógica da produção do conhecimento no ambiente escolar3,12. A capacitação de professores e de todos os outros atores sociais que compõem a comunidade escolar potencializa mudanças no ambiente escolar, as quais dão suporte para adoção de hábitos alimentares saudáveis ao longo da vida.(YOKOTA, 2010).

Embora não haja consenso sobre quais intervenções são mais adequadas para combater a obesidade, asabordagens tendem a ser centradas em mudanças no estilo de vida, com reeducação nutricional e estímulo à atividade física.10 A escola é um espaço estratégico para o incentivo à formação de hábitos diários de atividade física e alimentação adequada por meio da educação. (FRIEDRICH I, 2012)

As mudanças no estilo de vida (alimentação composta por alimentos industrializados, ricos em açúcares egorduras, e redução no consumo de frutas e verduras) combinadas com uma vida pouco ativa fisicamente (aumento de tempo em frente à televisão e videogames e redução na prática da atividade física), além de fatores do estilo de vida, contribuem para o aumento contínuo da prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes. (FRIEDRICHI, 2012)



FRIEDRICH, Roberta Roggia; SCHUCH, Ilaine and  WAGNER, Mário Bernardes. Efeito de intervenções sobre o índice de massa corporal em escolares. Rev. Saúde Pública [online]. 2012, vol.46, n.3, pp. 551-560.  Epub Apr 24, 2012. ISSN 0034-8910.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012005000036.

YOKOTA, Renata Tiene de Carvalho et al. Projeto "a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis": comparação de duas estratégias de educaçãonutricional no Distrito Federal, Brasil. Rev. Nutr. [online]. 2010, vol.23, n.1, pp. 37-47. ISSN 1415-5273.  http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732010000100005.

BARBOSA, Najla Veloso Sampaio; MACHADO, Neila Maria Viçosa; SOARES, Maria Cláudia Veiga  and  PINTO, Anelise Regina Royer. Alimentação na escola e autonomia - desafios e possibilidades. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2013, vol.18, n.4,...
tracking img