Influencia social e filosofica na mudanca históriografica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1673 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
SUMÁRIO
INTRODUÇAO............................................................................................................1
INFLUENCIA SOCIAL E FILOSOFICA NA MUDANCA HISTÓRIOGRAFICA...........2
CONSIDERAÇOES FINAIS........................................................................................6
REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS...........................................................................7
ANEXOS....................................................................................................................8














1. INTRODUÇÃO
Pelo presente artigo intitulado “O Fim do mundo antigo: uma discussão historiográfica”, do autor Gilvan Ventura da Silva, parte de uma analise sobre as transformações observadas noconhecimento histórico a partir do século XVIII. A partir das analises do autor, observa-se as múltiplas interpretações que os historiadores, no uso do seu fazer histórico ao analisar a historia em suas diversas dimensões: narrativas, descritiva, interpretativa, em fim, um novo olhar acerca de um determinado tema, um fato, um acontecimento. Isso nos leva a entender que o historiador tradicional deveria sairde uma postura simplista, mecânica, pouco reflexiva, apenas narrativa e descrita, para uma concepção de estudo formada desde a história antiga passando pela Idade Media e trazendo experiência pros dias atuais.











2. Influências social e filosófica nas mudanças historiográficas.
Com base no conhecimento adquirido sobre orelacionamento entre historia e linguagem, podemos perceber a preocupação com o uso de determinadas palavras. Termos como declínio, queda, bárbaro indicam uma concepção e uma interpretação do historiador sobre o período estudado, visando destacar uma visão contextual e de interpretação na elaboração da pesquisa de estudo sobre fatos históricos. São palavras gestos e imagens que levam os indivíduos a semodificarem, influenciando na sua maneira de pensar e agir, chegamos na resposta de que o único instrumento dotado de todo esse poderio é a linguagem que e utilizada pelos meios de comunicação
Em toda sociedade onde uma classe social e dona dos meios de produzir a vida, também essa mesma classe e proprietária do modo de produzir as ideias, os sentimentos, às intuições, numa palavra, o sentido domundo (DORFMAM; (MATTELART, 1980)

Liberta-se da ideologia dominante, construir o pensamento crítico, refletir sobre a realidade não aceitar o que esta posto – dado como verdade – sem questionar-se, sem procurar “ler a entrelinha”, é pensar o próprio pensamento. Por isso podemos dizer que filosofia é o desenvolvimento da capacidade de pensar o próprio pensamento.Ao Ao estudar a Grécia Antiga, observamos uma importante passagem da linguagem mito-poetica para o discurso filosófico. Sócrates, Platão e Aristóteles elaboraram importantes contribuições nesse campo. Na Roma Antiga a produção filosófica e literária foi também muito rica. Podemos destacar as obras de Cícero e SantoAgostinho; de uma maneira em que a filosofia pode auxiliar a pesquisa historiográfica.Enquanto pensador, Cíceropode ser visto como eclético, pois concilia tendências e ideias diversas em seus pensamentos. Suas obras filosóficas adotam a forma platônica dos diálogos e seus pensamentos políticos congregam influências múltiplas; com sua obra Sobre a República, o filósofo traz os fundamentos da vidacivil, apresentando a ideia de que a “república” pertence ao povo. Isso inaugura a perspectiva de soberania popular, Já Agostinho é visto pelos protestantes como um precursor das ideias da Reforma com sua ênfase sobre a salvação do pecado original e atual através da graça de Deus, que é adquirida unicamente pela fé. Sua insistência na consideração do sentido inteiro da Bíblia na interpretação...
tracking img