Infarto agudo do miocardio

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2195 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
DOENÇAS CORONARIANAS



FISIOLOGIA



O suprimento de sangue para o coração é feito através das artérias coronárias, que surgem diretamente da artéria aorta na valva aórtica, preferencialmente chamada de valva semilunar aórtica ou valva semilunar esquerda. São duas as principais artérias coronárias: a artéria coronária direita e a artéria coronária esquerda que logo se bifurca em duasgrandes artérias, a artéria descendente anterior e artéria circunflexa.



A interrupção do suprimento ou fluxo sanguíneo para o músculo cardíaco é causada pela obstrução de uma artéria coronária ou de um de seus ramos.



A obstrução é causada mais frequentemente pela formação de um coágulo (ou trombo) sanguíneo sobre uma placa aterosclerótica no interior de uma das artérias coronárias.Este trombo costuma ocorrer sobre uma placa aterosclerótica que sofreu alguma alteração, como a formação de uma úlcera ou a ruptura parcial da placa. Esta placa, antes da alteração que a instabilizou, pode ser suficientemente pequena para passar despercebida pelos métodos habituais de diagnóstico. Ou seja, um paciente com "exames normais" pode vir a ter um infarto do miocárdio por um processomuito breve, as vezes de poucos minutos.



Uma placa é considerada vulnerável (ou imatura) quando apresenta risco de ruptura. Quando a placa apresenta uma cápsula espessa (placa madura) torna-se menos propensa a ruptura. Não existe um método aceito para determinar qual placa é vulnerável e qual não, mas, após necrópsias, se verificou que as placas com propensão a romper costumam ter maisconteúdo de lipídeos e menos fibrose.



Quando ocorre a ruptura da placa, existe exposição de colágeno e fragmentos de tecido conjuntivo da região subendotelial. As plaquetas, células do sangue, se aderem e se agregam ao local da ruptura. As plaquetas liberam substâncias que desencadeiam o processo de coagulação, resultando na formação do trombo.



Consequencias da Oclusão





A faltade circulação impede a chegada de nutrientes e de oxigênio (isquemia) ao território arterial a jusante. A isquemia determina redução imediata e progressiva da contratilidade do miocárdio. A dinâmica da movimentação normal de íons, em especial potássio, cálcio e sódio, começa a se alterar. Isto gera uma instabilidade elétrica.



Como o ritmo cardíaco depende deste fluxo de íons e elétrons,podem ocorrer arritmias já precocemente no infarto. A morte nesta fase do infarto não costuma ser por que não existe força nos músculos, mas por que os músculos perdem a capacidade de trabalhar coordenados, tornando-se ineficientes. São músicos sem maestro.



A partir de 20 minutos de oclusão, parcelas progressivamente maiores do miocárdio entram irreversivelmente em necrose. Essa inicia-se naregião subendocárdica, metabolicamente mais ativa, estendendo-se para a epicárdica sob a forma de uma "onda de necrose", completando-se em cerca de 6 horas.



Na ausência de adequada circulação colateral, 50% da massa miocárdica em risco sofre

necrose na primeira hora e 70% em 3 a 4 hs.

Diagnóstico



A Organização Mundial de Saúde determina que para o diagnóstico de IAM é necessáriaa presença de critérios diagnósticos em três áreas:

1.Clínica

2.Eletrocardiográfica.

3.Bioquímica

[pic]



[pic]

[pic]

Exame físico



Os sinais do IAM são:

A pressão arterial geralmente é normal.

Na ausculta cardíaca os ruídos estão abafados, sendo a quarta bulha um achado frequente. A terceira bulha relaciona-se com a gravidade da disfunção ventricular.

Oprecórdio é geralmente invisível e o ictus cordis pode ser difícil de palpar.

Outros sinais físicos de disfunção ventricular que podem estar presentes incluem, quarta (B4) e terceira (B3) bulhas, hipofonese de bulhas e, nos casos mais graves, desdobramento paradoxal da segunda bulha.















Eletrocardiograma

Alterações morfológicas









Ondas e...
tracking img