Infantil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1050 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O Conceito de Criança- Infância



A partir do séc. XVI e até o séc. XVIII o Ocidente começa a elaborar o conceito de criança.


Com o Renascimento as pinturas passam a expressar a possibilidade de um mundo onde se pode pensar de modo diferente (até aí, acreditava-se que a Terra era o centro do Universo e a religião dominava a vida social, política e cultural. Galileu e Descartes(cria o método de pesquisa científica) vão influenciar o pensamento e a pesquisa científica toma corpo).

O mundo passa a ser pensado de forma teórica, científica. Os conceitos ganham importância na percepção da realidade. As teorias formulam conceitos e se desenvolvem dentro de uma Lógica. As teorias podem ser vistas como microscópios, i.é, instrumentos constituídos de lentes (conceitos)para que se possa ver uma determinada realidade. As leis da realidade não podem ser mudadas, elas podem ser usadas.
Até esta época (sec.XVI) a criança ao ser pensada como um adulto em miniatura, assim se comportava. Até aí as relações familiares não eram baseadas na afetividade. Havia muita mortalidade infantil. A tristeza pela perda de uma criança aparece com o surgimento do amor romântico.Pode-se perceber a criança sendo vista num enfoque diferente como também a família – as relações entre pais e filhos passam a ser concebidas de forma diferente.

Com a Revolução Francesa ( final sec. XVIII) há o advento da burguesia- o homem de negócios e também a partir daí aparece o conceito de criança. Rousseau (1712-1768) em seu livro “Emílio” diz:
a) a criança é qualitativamentediferente do adulto;
B) a criança é inocente ( o adulto pode vir a corrompê-la);
prega a necessidade de os pais cuidarem dos filhos (e não a assistência pública);
pregava a necessidade das mães amamentarem seus filhos.
Ao dizer que a criança é inocente Rousseau provocou escândalos, pois tal idéia implicou em mexer com princípios na religião e na Teologia.
A partir do advento daburguesia a família começou a se organizar em torno da criança e a lhe dar muita importância, e assim ela saiu do anonimato e sua vida passa a ser mais valorizada (cuidados diferentes com as crianças).
Sec. XIX-A Revolução Industrial vai possibilitar a rápida assimilação das novas idéias sobre a criança.
Modificam-se as formas de relação entre os homens, a maneira de trabalhar. Famílias detrabalhadores vão do campo para a cidade e assim ocorre a ruptura das relações que essas pessoas tinham com a comunidade que deixaram. Ocorre também o rompimento das relações senhor-servo (feudalismo).
Surge o trabalho especializado: importante que as crianças tivessem uma instrução para poder ler e lidar com as máquinas. Esboçam-se os primeiros estudos sobre a criança.
A Teoria daEvolução que prega que formas primitivas de vida se transformam em mais evoluídas, vai influenciar o modo de olhar a criança evoluindo para a vida adulta: que a ontogênese reproduzisse a filogênese, i.é, o indivíduo poder recapitular a história da espécie através de sua própria história.
Pensamento mágico ( pensamento religioso -(- pensamento científico.
No final do sec.XIX e início desec.XX há uma preocupação maior e mais sistemática com o estudo da criança e com a educação formal. No entanto, a disciplina é exercida sobre as crianças, no lar e na escola de modo agressivo e violento. Até há pouco tempo, escolas usavam castigos como palmatória, ajoelhar sobre o milho, salas escuras, etc.
A Psicologia do Desenvolvimento Infantil inicia-se como descrição de comportamentosdas crianças típicos de cada faixa de idade e a elaboração de escalas de desenvolvimento. Representantes: Gesell nos E.U.A e Binet (sobretudo testes de inteligência) na França. A partir de tais escalas o desenvolvimento de cada criança poderia ser medido e comparado com as escalas do que era considerado “normal” para o desenvolvimento infantil (teoria inatista) em torno de 1920 a 1939.
Por...
tracking img