Industrias culturais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2482 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INDÚSTRIAS CULTURAIS - I

Para Theodor W. Adorno e Max Horkheimer (1978), a indústria cultural surge quando a cultura se mercantilizou, através do desenvolvimento tecnológico e da capacidade de reprodução. Os dois autores substituíram a expressão cultura de massa pela de indústria cultural (1978: 287). Para eles, não é uma cultura que surge "espontaneamente das próprias massas, em suma, daforma contemporânea da arte popular" mas é "a integração deliberada, a partir do alto, de seus consumidores". As apreciações feitas ao jazz resultam de uma perspectiva radical de análise, que podemos enquadrar num quadro de etnocentrismo europeu.

Foi em meados dos anos 1940 que Adorno e Horkheimer, então a viver nos Estados Unidos, como exilados, criaram o conceito de indústria cultural. Os bensculturais inseriam-se numa lógica de produção industrial, logo como uma mercadoria igual a outras – seriação, padronização, divisão de trabalho. O padrão da criação artística é semelhante ao padrão de produção de um qualquer bem industrial.

A escola de Frankfurt, a que Adorno e Horkheimer estavam vinculados, partiu da concepção de formas e funções superiores de cultura, inerentes ao ritual e aosagrado. No centro desta concepção encontra-se o conceito de obra de arte não reprodutível, possuidora de aura, valor cultural e autenticidade, o aqui e agora da obra de arte (Benjamin), peça única e de acesso difícil. Ora, com os seus objectivos de análise, a escola de Frankfurt ignorou a originalidade das culturas populares e a potencial identidade das culturas de massa [que autores da Américalatina redescobriram, como Néstor García Canclini (1980), Jesús Martín-Barbero (1997) e Hamilton Faria (2003)].

A concepção de Adorno e Horkheimer ignorou também o que reside atrás do princípio da reprodução, como Benjamin escreveu em A obra de arte na era da sua reprodução técnica (1985). Aqui, Benjamin mostra que a arte do cinema só se concebe no estádio da reprodução, da multiplicidade decópias, tornando caduca a ideia de arte como peça única.


Adorno e a Indústria Cultural
Daniel Ribeiro da Silva*

Resumo:
O presente texto pretende ser mais uma explanação de algumas reflexões do filósofo T. W. Adorno (1903-1969) acerca da Indústria Cultural vigente no século XX.
Palavras-chave: Adorno, indústria cultural, ideologia, razão técnica, arte.
A Indústria Cultural impede aformação de indivíduos autônomos, independentes, capazes de julgar e de decidir conscientemente. Com as palavras do próprio Adorno, podemos compreender o porque das suas reflexões acerca desse tema.
Theodor Wiesengrund-Adorno, em parceria com outros filósofos contemporâneos, estão inseridos num trabalho muito árduo: pensar filosoficamente a realidade vigente. A realidade em que vivia estavasofrendo várias transformações, principalmente, na dimensão econômica. O Comércio tinha se fortalecido após as revoluções industriais, ocorridas na Europa e, com isso, o Capitalismo havia se fortalecido definitivamente, principalmente, com as novas descobertas cientificas e, conseqüentemente, com o avanço tecnológico. O homem havia perdido a sua autonomia. Em conseqüência disso, a humanidade estava cadavez mais se tornando desumanizada. Em outras palavras, poderíamos dizer que o nosso caro filósofo contemplava uma geração de homens doentes, talvez gravemente. O domínio da razão humana, que no Iluminismo era como uma doutrina, passou a dar lugar para o domínio da razão técnica. Os valores humanos haviam sido deixados de lado em troca do interesse econômico. O que passou a reger a sociedade foi alei do mercado, e com isso, quem conseguisse acompanhar esse ritmo e essa ideologia de vida, talvez, conseguiria sobreviver; aquele que não conseguisse acompanhar esse ritmo e essa ideologia de vida ficava a mercê dos dias e do tempo, isto é, seria jogado à margem da sociedade. Nessa corrida pelo ter, nasce o individualismo, que, segundo o nosso filósofo, é o fruto de toda essa Indústria...
tracking img