Industrialização

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2740 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FATORES ECONOMICOS, SOCIAIS E POLITICOS QUE PERMITIRAM A INDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL

1 INTRODUÇÃO

A Industrialização no Brasil teve seu inicio há muito tempo, mas, seu auge se deu logo após a crise de 1929, com a chamada Era Vargas, e a partir desse período tivemos diversos fatores econômicos, políticos e sociais, que permitiram a industrialização brasileira.
E neste trabalho citaremos osprincipais fatores que permitiram a industrialização no Brasil, partindo da Era Vargas e chegando até os dias atuais.
FATORES ECONÔMICOS QUE PERMITIRAM A INDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL

Até 1889 a industrialização no Brasil era praticamente inexistente.
A indústria manufatureira só surgiu na metade do século XIX. Anteriormente a este período era predominantemente agrícola, que sebaseava no trabalho escravo e matérias primas para exportação.
Entre o século XVI e inicio do século XX, vamos predominar em tempos diferentes um determinado produto, no século XVI o pau-brasil, no século XVII o açúcar, no século XVIII o ouro e no século XIX o café.
Estes produtos chegaram a produzir sua estagnação como dominante a partir da concorrência com outros mercados que surgiramcom o mesmo produto.
Até o final do século XIX, o Brasil estava ligado a suprir tanto Portugal como a Inglaterra com sua matéria prima e em troca importava os produtos manufaturados ou industrializados. Não se permitia o desenvolvimento de qualquer indústria e os produtos manufaturados deviam ser comprados dos portugueses ou ingleses, em troca de matérias primas nacionais.
Durante amaior parte da existência do império brasileiro (1822-1889), a politica comercial se baseava no livre campismo, o que tornava extremamente difícil o estabelecimento de indústrias no país face à concorrência externa.
Por volta de 1870, empresas foram ajudadas em parte pelas relações de troca favoráveis naqueles anos, e também, pela casual proteção tarifária, provocadas pelas necessidadesgovernamentais de ampliar suas receitas cuja principal fonte era as tarifas alfandegarias.
Portanto, percebemos que não foi uma ação do reinado em motivar uma pequena industrialização, mas sim à facilidade de um empreendedor com capital, produzir o mesmo produto internamente mais barato que o importado. Algumas indústrias desse período eram de sabão, rapé, chapéu, alimentícia e têxtil.Durante a última década do século XIX, surgiram indústrias dedica ao setor interno e externo.
Em São Paulo, abriram pequenas fábricas para produzir tecidos de algodão, seda e linho, moinhos, fábricas de enlatados, biscoitos, macarrão, diversos tipos de bebidas, que representavam uma pequena parte total da atividade econômica, pois a economia desta época ainda estava atrelada ao café.Com a republica houve implantação de um maior protecionismo, especialmente por instituição de tarifas aduaneiras tendo como valor o ouro, e a aquisição de maquinaria, instrumental e até matéria prima para o desenvolvimento industrial.
Durante este período o Brasil realizou também sucessivas desvalorizações de sua moeda para atender a problemas de balanço de pagamentos.
Odesenvolvimento de ferrovias conjugado ao substancial afluxo de capital estrangeiro serviu para manter o acelerado ritmo de industrialização antes da I Guerra Mundial.
Com a I guerra o efeito inflacionário das finanças dos países, a interrupção dos suprimentos de além-mar ajudou a disseminar empresas industriais no Brasil que eram para consumo externo e exportação.
Portanto, foi uma grandeoportunidade para as nascentes industriais brasileiras. O maior crescimento verificou-se na indústria alimentícia.
Na década de 1920, muitas indústrias sofreram um retrocesso, os bens produzidos no Brasil eram caros e de qualidade inferior, se comparados com os americanos e europeus. Estes últimos passaram a estar disponíveis com crescente vigor.
Todavia, o governo brasileiro sustentava...
tracking img