Industria farmaceutica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3817 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP
CURSO DE FARMÁCIA – 2º SEMESTRE


DAYANE ZUZA AGOSTINHO RA: 3933054192
FABIANA DOS SANTOS RA: 3923783976
FLÁVIA FONSECA DA SILVA RA: 12998687704
FRANCIANE CRISTADO MORGADO RA: 3923858351









INDÚSTRIA MEDICAMENTOS




















CAMPO GRANDE – MS
2012










UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP
CURSO DEFARMÁCIA – 2º SEMESTRE


DAYANE ZUZA AGOSTINHO RA: 3933054192
FABIANA DOS SANTOS RA: 3923783976
FLÁVIA FONSECA DA SILVA RA: 12998687704
FRANCIANE CRISTADO MORGADO RA: 3923858351








INDÚSTRIA MEDICAMENTOS
ESTE TRABALHO FOI PRODUZIDO COM
A FINALIDADE DE SER AVALIADADO PELA
PROFESSOR FRANÇIOSE, NA
NA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS
E BIOSEGURANÇACAMPO GRANDE – MS
2012
1. HISTÓRICO NO MUNDO E NO BRASIL

A história da indústria farmacêutica no Brasil teoricamente teve seu início com a chegada do
primeiro farmacêutico, chamado Diogo da Costa, o qual desembarcou na Bahia em 1549, fazendo parte da comitiva de Thomé de Souza, primeiro Governador Geral da colônia portuguesa. Veja como foi este desenvolvimento:

1550 - As boticasjesuítas - os Jesuítas desembarcam na nova colônia portuguesa com missão evangélica e também sanitária. Foram eles que atuaram como boticários, preparando remédios e tratando doentes. Eles aproveitaram muitos dos preparados indígenas.
1640 - Permitido o funcionamento de boticas - a Coroa portuguesa permite o funcionamento de boticas no território da colônia, melhorando o comércio local deremédios.
1700 - A primeira fórmula brasileira - surge o primeiro medicamento genuinamente brasileiro. A “Triaga Brasílica” era composta de várias drogas nacionais produzida pela Botica do Colégio dos Jesuítas da Bahia. Era usada como antídoto e contraveneno na picada de animais peçonhentos e em doenças febris.
1794 - Regulamentação das boticas - Dona Maria I publica edital que torna obrigatório quetoda botica tenha um exemplar da “Farmacopéia Geral”. As especialidades encontradas nas boticas eram em grande parte importadas da França, Inglaterra EUA, como exemplo, o “Purgativo Le Roy”, “Água de Melissa dos Carmelitas” “Água Francesa” e a da Rainha da Inglaterra; “Pílulas de Belloste”, “Peitoral de Cerejas de Ayer”, “Maravilha Curativa de Humphrey”, “Pastilhas de Vichy”, “Emulsão de Scott”,etc.
1832 - Cursos de Farmácia - são criados os primeiros cursos de farmácia no país integrados às Escolas de Medicina do Rio de Janeiro e da Bahia.
1839 - Primeira Escola de Farmácia - criada a Escola de Farmácia de Ouro Preto pelo governo provincial de Minas Gerais em 4 de abril. A Escola foi pioneira na formação de farmacêuticos no país.
1858 - Boticas e médicos em São Paulo - havia nesta dataapenas quatro boticas nidade de São Paulo e doze médicos. Foi neste ano em que o farmacêutico alemão Gustav Schaumann inaugurou à Rua São Bento, a botica “Ao Veado D’Ouro”.
1860 - Primeiro produto industrializado - lançada pelo farmacêutico gaúcho João Daudt Filho, a pomada Boro-borácica é considerada o primeiro produto nacional industrializado.
1870 - Boticas viram farmácias - surgem na capitalpaulista várias boticas ou “farmácias”, demais países ocidentais, foram berços da indústria farmacêutica que, a partir do fim do século XIX, passam a ocupar a produção de remédios em larga escala. Casa Granado - nasce a Casa Granado, um dos laboratórios pioneiros do país instalado no Rio de Janeiro, criador de diversas especialidades farmacêuticas como a “Água Inglesa Granado”, “Magnésia fluidaGranado”, “Vinho de Quino”, “Xarope Antiasmático Imabaibina”, “Xarope de Urucu composto”.
1889 - Primeira fase industrial - com a Proclamação da República, a produção farmacêutica brasileira teve seu apogeu na primeira fase industrial, que se prolongou até 1914, quando da fundação dos primeiros laboratórios industriais. Eles produziam medicamentos de origem vegetal, mas também de origem mineral...
tracking img