Inatismo x ambientalismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4525 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INATISMO
Chama-se inatismo à doutrina segundo a qual há certas ideias, princípios, noções, máximas - especulativas, ou práticas - que são inatas, quer dizer, que possuem a alma, o espírito, etc, de todos os homens sem excepção.

A primeira fase da história do inatismo constitui a doutrina platônica. Elemento capital desta foi a ideia da reminiscência. Esta ideia, combinada com frequência com adoutrina agostiniana da iluminação, exerceu grande influência durante toda a idade média, e opôs-se geralmente ao empirismo do princípio “nada há no intelecto que não estivesse antes nos sentidos”, de ascendência aristotélica, até ao ponto de esta questão, muitas vezes, ser a que estabeleceu uma separação terminante entre o platonismo e o aristotelismo. Geralmente, o pensamento antigo, comexcepção das correntes sofísticas e cépticas, inclinou-se para o inatismo. Dentro deste geral inatismo inseriu-se a discussão acerca de se as noções consideradas como princípios deviam ser estimadas como atuais ou potenciais, e isto é muitas vezes o que introduz a citada diferença de opinião entre os platônicos e o s aristotélico.. Embora Platão tenda para pensar que tais princípios são antes disposiçõesque podem usar-se num momento determinado pela ação de um bem dirigida causa exterior, a sua tendência para o inatismo atual é muito mais acentuada que em Aristóteles, para quem os princípios comuns se identificam quase sempre com disposições ou faculdades. Na época moderna, o problema do inatismo adquiriu um novo sentido em Descartes. Houve grandes e frequentes disputas acerca do inatismo,durante os séculos dezassete e dezoito, dividindo-se os autores em inatistas (extremos ou moderados) e anti-inatistas. Assim, enquanto Descartes e Malebranche podem ser considerados como inatistas, Locke combate a teoria das ideias inatas no seu ENSAIO SOBRE O ENTENDIMENTO HUMANO, que era também dirigido contra o inatismo da escola de Cambridge. Locke rejeita “a opinião arreigada de alguns de que hácertos princípios inatos, noções primárias ou caracteres impressos no espírito humano. Tais princípios ou noções enatas não são, segundo Locke, necessários para explicar coamo podem os homens chegar a possuir todo o conhecimento que têm. Basta - diz - “o uso das suas faculdades naturais”, com o que, seja dito de passagem, Locke reconhece que há umas faculdades que são inatas, o que faz com que oinatismo de Locke seja moderado. Embora os raciocínios matemáticos pareçam constituir uma prova em favor do inatismo, Locke declara que não há tal, pois uma coisa é dizer que não há princípios evidentes por si mesmo e outra coisa muito diferente proclama que tais princípios são inatos.

Na disputa sobre o inatismo destaca-se a polêmica entre Locke e Leibniz. Observemos que assim como Locke não eraum anti-inatista radical, tão pouco Leibniz era um radical inatista. Com efeito, Leibniz não afirmava que as chamadas ideias inatas ou princípios inatos se encontram efetiva e positivamente no espirito dos homens. De contrário, haveria que supor que tais princípios se manifestam sempre e sem nenhuma peia. O que há no espírito humano é evidência das “verdades eternas”. “Inato” não significa,portanto, para Leibniz, “o que efetivamente se sabe”, mas ”o que se reconhece como evidente”. Por isso é preciso distinguir entre “os pensamentos como ações” e “conhecimentos ou verdades como disposições”. Enquanto em Locke se trata de “disposições para conhecer verdades”, em Leibniz trata-se, conforme apontamos, de “verdades como disposições”. Assim, Locke põe a tônica na faculdade e Leibniz põe-nasobre a verdade. Embora se possa dizer, portanto, que em geral os racionalistas eram inatistas e os empiristas, se exceptuarmos Berkeley, eram anti-inatistas, as diferenças não consistiam tanto no que os autores diziam como no modo de dizê-lo, ou se se preferir, no tipo de prova aduzido para demonstrar ou reforçar as suas respectivas posições. [Ferrater]

(in. Innatism; fr. Innatisme, al....
tracking img