Historia da psicologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 59 (14712 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de março de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Psicologia USP
versão impressa ISSN 0103-6564
Psicol. USP v. 9 n. 1 São Paulo  1998
doi: 10.1590/S0103-65641998000100009 
CAROLINA BORI: A PSICOLOGIA BRASILEIRA COMO MISSÃO1 
 
Maria Amelia Matos
Instituto de Psicologia - USP
 
 
Em 1958 foram abertas as inscrições para o primeiro exame vestibular, no Brasil, para um curso de Graduação em Psicologia. No caso este curso estava sendoaberto na Universidade de São Paulo, e eu fui uma das alunas da primeira turma de estudantes admitidos.
Anteriormente a este vestibular, o ensino de Psicologia no Brasil se fazia através de disciplinas isoladas, ministradas em cursos de Filosofia e de Pedagogia. Além disso, o Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP), no Rio de Janeiro, oferecia cursos de psicometria voltados para otreinamento no uso de testes; e cursos de Medicina pelo Brasil afora ofereciam disciplinas voltadas para a prática psiquiátrica, as quais enfocavam a Psicanálise e apenas bordejavam a Psicologia (e isso em seu aspecto apenas clínico). Algumas sociedades, científicas ou profissionais, ofereciam esporadicamente cursos de extensão cultural, ministrados ou por psiquiatras e psicólogos clínicos, ou porprofessores, ex-bolsistas de regresso de suas viagens ao exterior.
O curso ministrado na USP era de nível superior, porém tinha âmbito exclusivamente estadual. Inicialmente era um curso de três anos de duração e conferia apenas o diploma de Bacharel em Psicologia, o que não permitia, a quem quer que fosse, o exercício profissional em carreira alguma. Para atender a ansiedade dos alunos, buscou-se oseu reconhecimento e validade a nível nacional. Isto acendeu uma discussão sobre a formação desses, e de outros alunos futuros.
Simultaneamente, uma tentativa de um grupo de médicos, liderados por Newton Campos, médico psiquiatra e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, tentava fazer passar uma lei que, regulamentando o exercício profissional do psicólogo, o restringia às funções demero auxiliar de médico, tipo "enfermeira sem formação biológica".
Dentro deste duplo contexto se situa meu primeiro contato com a Professora Carolina Martuscelli Bori.
Inicialmente, à frente da Sociedade de Psicologia de São Paulo, e posteriormente, da Associação Brasileira de Psicólogos, Carolina Bori liderou um movimento de rejeição da proposta do Rio de Janeiro e de aprovação do estatutoque, ainda hoje, regulamenta o exercício profissional do psicólogo no Brasil. 
Eu me lembro de reuniões em salas de aula na Maria Antônia e no vizinho Colégio Rio Branco, e/ou em porões na "Saúde Mental", onde se discutia acalorada e apaixonadamente, ao lado da questão do exercício profissional, e a seu pretexto acredito hoje, a questão mais básica da formação acadêmica e profissional em Psicologia.Discutiam-se experiências realizadas em outros países e as necessidades do Brasil; discutiam-se o modelo de psicólogo que se desejava formar e as condições para isso. Em todos esses momentos as intervenções de Carolina recolocavam o rumo dos debates, elevavam o nível das aspirações, e serenavam os ânimos. Mais do que isso, produziam propostas concretas que desaguavam em projetos e ante-projetosde lei.
E essas propostas não ficavam no papel: ela organizava grupos de estudantes e profissionais para irem a campo obter assinaturas de apoio da comunidade aos estatutos do exercício da profissão de psicólogo no Brasil; organizava comissões de professores, profissionais e estudantes para visitarem políticos e obterem apoio para a aprovação da lei que regulamenta a formação em Psicologia. Foipresidente da comissão de estudos que elaborou o projeto de lei para a constituição do currículo mínimo para cursos de Psicologia, até hoje em vigor. Foi presidente da comissão que supervisionou a transição entre esses dois momentos do exercício profissional, realizando a delicada tarefa de, defendendo a recém criada profissão, proteger os direitos daqueles que, sem diploma ou registro, já a...
tracking img