Historia da arquitetura

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1716 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO




AUH 156 – HISTÓRIA E TEORIA DA ARQUITETURA IV















Fichamento
Leonardo Benevolo e Kenneth Frampton
historiando a arquitetura brasileira














ALUNO: Bruno Spinardi Silva . 6451922



São Paulo, abril de 2013
BENÉVOLO, Leonardo - “História da Arquitetura Moderna”, p.711-721



Benévolo entende que a arquitetura moderna apresentada ao redor do mundo eram apenas reflexos daquela apresentada e estudada na Europa e a América setentrional; porém, no segundo pós guerra, dois países apresentaram uma revisão do modernismo: Brasil e Japão.

Esses dois países apresentaram resultados de valor internacional, não ligados aos modelos europeus ou estadunidenses,modelos capazes de estimular as experiências tanto do Velho como do Novo mundo.

No Brasil:

• Semana de arte moderna de 1922
• Movimento antropofágico, 1928
• G. Warchavchik - Manifesto da Arquitetura funcional - 1925
- Primeira casa modernista – 1928
• Flávio de Carvalho - Projeto racionalista para o Palácio do Governo de São Paulo - 1927
•Revolução de 1930, políticos influenciados por artistas de vanguarda chegam ao poder
• Lúcio Costa é nomeado diretor da Belas Artes do Rio de Janeiro, que convida G. Warchavchik e A Budeus como professores.

Em 1935, o concurso para o projeto do Ministério da Educação e Saúde é mal sucedido e projeto é dado a Lucio Costa, que convida C. Leão, M Moreira e A. E. Reidy para a equipe eposteriormente convida O. Niemeyer e E. Vasconcelos. Por conta do projeto, Le Corbusier fica por três semanas no Rio e posteriormente, em 1946, após o projeto pronto, L. Costa o convida para uma visita ao edifício.

Segundo Benevolo, o edifício caracteriza os anseios de Le Corbusier: Arranha-céu cartesiano, com função direcional e também elementos como os pilotis, terraço jardim, pan de verre ebrise-soleil. A realização é feliz não só pelo aspecto funcional, como pela implantação proposta (em pequeno terreno e amplos espaços públicos).

• A partir de 1936, multiplicaram-se oportunidades para arquitetos modernos, por exemplo: Sede da associação brasileira de imprensa, aeroporto Santos Dumont, Estação de hidroaviões no Rio e Pavilhão brasileiro em Nova Iorque, este último projetado porNiemeyer e Lúcio Costa em 1939.
• Oscar Niemeyer conhecido universalmente pelo complexo da Pampulha, Banco Boa Vista no Rio, Centro técnico da aeronáutica em S. J. dos Campos, parque do Ibirapuera e edifícios residenciais em Belo Horizonte e São Paulo.

Niemeyer procede numa voluntária simplificação do repertorio racionalisra, substituindo o contra-ponto estrutural de Le Corbusier por poucosmotivos elementares definidos e fortemente espaçados. Sua orientação é distanciada da produção brasileira produzida , por exemplo, pelos arquitetos:

▪ Lúcio Costa
▪ M.M.M. Roberto
▪ H. E. Mindlin
▪ Rino Levi
▪ G.C. Palantini

Benevolo relata uma falta de adequado enquadramento urbanístico na arquitetura brasileira,com a ressalva de Reidy: novo centro cívico Sto. Antônio (1948) e Complexo de Pedregulho (1950). Lembra também de Burle Marx “um dos mais hábeis paisagistas do nosso tempo”. Quanto mais conhecida a arquitetura brasileira, mais destoantes os julgamentos e registram-se as primeiras dissensões.

M. Bill critica a arquitetura brasileira no seu conjunto:

▪ afirma que no Brasil os elementos daarquitetura internacional tornaram-se fórmulas convencionais
▪ obedecem a uma poética pré concebida
▪ critica MEC, mas ressalva Pedregulho, “recomendável em todos os sentidos”

Benevolo concorda com M. Bill e explica que o formalismo decorre da presença de uma sociedade hierárquica e um jovem capitalismo em plena expansão e exige uma representação simbólica apropriada....
tracking img