Hipóteses de alfabetização segundo emilia ferreiro e ana teberosky

HIPÓTESES DE ALFABETIZAÇÃO SEGUNDO EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY
“(...) a escrita é alheia a qualquer busca de correspondência entre grafia e os sons, ou seja, não apresenta nenhum tipo decorrespondência sonora. Esse processo representa a escrita de um período longo do processo de alfabetização.” (FERREIRO 1999).
Segundo Emília Ferreiro e Ana Teberosky, as crianças elaboram conhecimentossobre a leitura e escrita, passando por diferentes hipóteses – espontâneas e provisórias – até se apropriar de toda a complexidade da língua escrita. Tais hipóteses, baseadas em conhecimentos prévios,assimilações e generalizações, dependem das interações delas com seus pares e com os materiais escritos que circulam socialmente. Para a Teoria da Psicogênese, toda criança passa por níveisestruturais da linguagem escrita até que se aproprie da complexidade do sistema alfabético. São eles: o pré-silábico, o silábico, que se divide em silábico-alfabético, e o alfabético Tais níveis sãocaracterizados por esquemas conceituais que não são simples reproduções das informações recebidas do meio, ao contrário, são processos construtivos onde a criança leva em conta parte da informação recebida eintroduz sempre algo subjetivo. É importante salientar que a passagem de um nível para o outro é gradual e depende muito das intervenções feitas pelo/a professor/a. Por acreditarem que a criançabusca a aprendizagem na medida em que constrói o raciocínio lógico e que o processo evolutivo de aprender a ler e escrever passa por níveis de conceitualização que revelam as hipóteses a que chegou acriança, Emilia Ferreiro e Ana Teberosky definiram, em seu Psicogêne da Língua Escrita, cinco níveis:
Nível 1: Hipótese Pré-Silábica;
Nível 2: Intermediário I;
Nível 3: Hipótese Silábica;
Nível 4:Hipótese Silábico-Alfabética ou Intermediário II;
Nível 5: Hipótese Alfabética.

Nível 1:...
tracking img