Gramsci na contemporaneidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3512 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Pontifícia Universidade Católica de Goiás
Pró-Reitoria de graduação
Unidade acadêmica administrativa do Serviço Social
Disciplina: Fundamentos teórico-metodológicos de Serviço Social V
Alunas:

Grupo VII: O Estado moderno, o partido político e a questão de hegemonia/ditadura.

Seminário apresentado para fins de avaliação parcial de N1, na disciplina de Fundamentos Teórico-metodológicosde Serviço Social V, sob a orientação da Profª Carmem Regina Paro, da turma A01 do curso de Serviço Social da PUC-Go.

Goiânia, outubro/2012

Maquiavel a política e o Estado moderno
(Antônio Gramsci) págs. 3-9; 54-63

Antônio Gramsci e Nicolau Maquiavel, além do interesse pela políticatambém compartilharam o mesmo território (Itália), em épocas diferentes, mas com desigualdades. A partir da principal obra de Maquiavel: O príncipe, (que foi comparado como “mito” soreliano por Gramsci), Gramsci afirma que na modernidade, o príncipe não pode ser um individuo, mas sim um organismo determinado pelo desenvolvimento histórico: o partido político fruto da vontade coletiva.
Omoderno príncipe é o agente da vontade coletiva transformadora, que tem a tarefa de organizar, propagar uma reforma intelectual e moral, separando os resíduos corporativos e juntar todos os segmentos da sociedade para a formação de uma vontade coletiva nacional-popular, ou seja, um grau de consciência capaz de permitir uma iniciativa política,sendo que isso só será permitido caso haja também umareforma econômica. Segundo Gramsci em todo livro Maquiavel mostra como dever ser o príncipe para levar um povo à fundação do novo Estado, já Gramsci faz isso com o moderno príncipe, analisando ações, estratégias e táticas, as relações de força, a análise de conjuntura necessária para se obter êxito em relação às crises hegemônicas, referente às classes dirigentes, faz observações e assinala o perigo dassoluções representadas pelos “homens providenciais ou carismáticos”, o cuidado e o que deve fazer os partidos políticos nos períodos de crise orgânica.
O moderno príncipe deve ter uma parte ligada ao jacobinismo e uma ligada a vontade coletiva,em relação a análise de relação de forças,esta só tem significado quando serve para justificar uma atividade prática,indicar os pontos débeis deresistência,onde a força da vontade pode ser aplicada mais frutiferamente,sugerir opções táticas,indicar melhor maneira de empreender uma campanha de agitação política e a linguagem que será melhor compreendida pelas multidões.
“A razão dos sucessivos fracassos das tentativas de criar uma vontade coletiva nacional- popular deve ser procurada na existência de determinados grupos sociais que seformam a partir da dissolução da burguesia comunal, no caráter particular de outros grupos que refletem a função internacional da Itália como sede da igreja e depositária do Sagrado Império Romano, etc.” (Gramsci, 1988,7-8).
“... A ciência política deve ser concebida no seu conteúdo concreto como um organismo em desenvolvimento.” (Gramsci, 1988,9).
“... Os partidos nascem e se constituem emorganizações para dirigir a situação em momentos historicamente vitais para as suas classes; mas nem sempre eles sabem
adaptarem-se as novas tarefas e as novas épocas, nem sempre sabem desenvolver-se de acordo com o desenvolvimento do conjunto de relações de força no país a que pertencem ou no campo internacional” (Gramsci, 1988,56).
Num determinado momento da sua vida histórica, os grupos sociais seafastam dos seus partidos tradicionais, isto é, os partidos tradicionais com uma determinada forma de organização, com determinados homens que os constituem, representam e dirigem, não são mais reconhecidos como expressão própria da sua classe ou fração de classe. Fala-se de “crise de autoridade”, mas, na realidade, o que se verifica é crise de hegemonia, ou crise do estado no seu conjunto. Esta...
tracking img