Graficos ibge

Diretoria Colegiada Departamento Econômico – DEPEC

Programação Monetária 2010

Março – 2010

Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de 2010
A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 2010

1. O PIB, embora registrasse recuperação vigorosa, na margem, no último trimestre de 2009, apresentou recuo PIB: Acumulado ao longo do ano Preços de mercado anual de 0,2%em 2009, de acordo % com as Contas Nacionais Trimes- 7 trais do IBGE, resultado consisten- 6 5 te com os dois períodos distintos 4 3 experimentados pela economia 2 brasileira após a intensificação da 1 0 crise nos mercados financeiros in- -1 -2 ternacionais e passível de revisão – -3 os números finais sobre a atividade I II III IV I II III IV I II III IV I II III IV I II III IV I II III IV 20042005 2006 2007 2008 2009 em 2009 serão divulgados em 2011. Fonte: IBGE O breve período recessivo que sucedeu à forte deterioração do ambiente econômico internacional se traduziu – consideradas estatísticas dessazonalizadas e variações em relação ao trimestre anterior – em retrações respectivas do PIB de 3,5% e 0,9% nos trimestres encerrados em dezembro de 2008 e em março de 2009. A partir do segundotrimestre de 2009, o nível da atividade da economia passou a registrar recuperação progressiva, expressa nos aumentos respectivos de 1,4%, 1,7% e 2% assinalados pelo PIB nos trimestres finalizados em junho, setembro e dezembro. Considerada a ótica do produto, o desempenho anual do PIB em 2009 refletiu as retrações respectivas de 5,2% e 5,5% assinaladas nos setores primário e secundário e ocrescimento de 2,6% registrado no setor de serviços. O exame dos componentes da demanda evidencia a importância do consumo das famílias e do governo para a sustentação do PIB em 2009. Nesse sentido, os gastos das famílias, em cenário de crescimento da massa salarial real e do volume das operações de crédito do sistema financeiro destinado a pessoas físicas, aumentaram 4,1% no ano, enquanto o consumo dogoverno cresceu 3,7%. Em oposição, os investimentos, em linha com o desempenho da construção civil e da produção e importação de máquinas e equipamentos, apresentaram retração anual de 9,9%, contribuindo decisivamente para que o impacto exercido pela demanda interna para o desempenho anual do PIB em 2009 fosse negativo em 0,3 p.p. As importações recuaram 11,4% no ano e as exportações, 10,3%,determinando que a contribuição da demanda externa para a evolução do PIB em 2009 atingisse 0,1 p.p.

2. A produção da indústria geral cresceu 1,9% no trimestre encerrado em janeiro, em relação ao finalizado Produção industrial Dados dessazonalizados em outubro de 2009, de acordo 2002=100 com estatísticas dessazonalizadas 134 da Pesquisa Industrial Mensal 129 – Produção Física (PIM-PF) do 124 IBGE.Esse resultado refletiu os 119 aumentos assinalados nas indús- 114 trias extrativa, 2,4%, e de trans- 109 formação, 3,5%, este decorrente 104 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez de resultados positivos em 19 das 2006 2006 2007 2008 2009 2010 26 atividades pesquisadas, com Fonte: IBGE ênfase nos relativos aos segmentos produtos de metal, 19,5%, máquinas e equipamentos, 9,5%, e madeira,7,7%, contrastando com o recuo de 8% registrado na produção de eletrônicos, aparelhos e equipamentos de comunicações. A análise por categorias de uso revela a sustentação da recuperação da indústria de bens de capital, que aumentou 11,4% no trimestre encerrado em janeiro, em relação ao finalizado em outubro de 2009, quando havia crescido 8,5%, no mesmo tipo de comparação, considerados dadosdessazonalizados. A indústria de bens intermediários experimentou aumentos respectivos de 5,1% e 4,5%, nos períodos considerados, enquanto nos segmentos de bens de consumo semi e não duráveis, e de bens de consumo duráveis ocorreram, na ordem, variações trimestrais de 1% e 1,4%, e de -1,4% e 9,2%. 3. De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e...
tracking img