Gilberto freyre

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1623 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Interpretações do Brasil
Aluno: Victor Amadeu Oliveira Pires dos Santos

2º Resenha – Gilberto Freyre e a sociedade brasileira

Casa - Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o regime economia patriarcal
Cap IV – O escravo negro na vida sexual e de família do brasileiro
O texto “Casa - Grande e Senzala” tem como base de estudo as origens da sociedade brasileira vista atravésdo cotidiano na casa senhorial no Brasil colônia. Gilberto Freyre discute a formação da sociedade brasileira a partir das contribuições das raças branca, índia e negra. O indivíduo brasileiro é resultado dessa mistura, e nas heranças que estas trazem; a mistura das três raças e as influências trazidas pelos portugueses como calsador da nossa singularidade. O autor dá grande importância à famíliapatriarcal no processo da nossa civilização e coloca uma visão detalhada da vida social e sexual do período, mostrando a participação essencial do negro na formação do Brasil e em suas relações com os portugueses.
No Cap IV, Gilberto Freyre faz uma análise da estrutura da sociedade do século XIX, tendo como variável fundamental o papel do escravo negro nesta sociedade. Logo no primeiro parágrafo,o autor evidencia a mestiçagem crescente no Brasil:
"Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando não na alma e no corpo – ha muita gente de jenipapo pelo Brasil – a sombra, ou pelo menos a pinta, do negro."
E usa dados estatísticos para fundamentar sua afirmação:
"Em meados do século XIX, Burton encontrou em Minas Gerais uma cidade de cinco mil habitantes, com duasfamílias apenas de puro sangue europeu. Mas nas capitanias do interior o mulatismo tornara-se um "mal necessário". A princípio – é de supor – supor menos por casamento do que por uniões irregulares de brancos com negras, muitas vezes suas escravas.”
Como causas dessa crescente mestiçagem brasileira, Gilberto Freyre descreve o tipo de escravo(a) que era importado para o Brasil e a utilização e convíviode alguns seletos escravos dentro do ambiente familiar do homem branco senhor de terras. Detalhando cada uma das causas, em primeiro o tipo de escravo, o autor utiliza os velhos anúncios de 1825 até 1850 que demonstram claramente que os escravos "bonitos de cara e de corpo" tinham preferência no tráfico e eram, por sua vez, comprados e utilizados para serviços domésticos vivendo ao lado do brancona casa-grande:
"O Brasil não se limitou a recolher da África a lama de gente preta que lhe fecundou os canaviais e os cafezais; que lhe amaciou a terra seca. Vieram-lhe da África "donas de casa" para seus colonos sem mulher branca."
"Foram essas Minas e Fulas - africanas não só de pele mais clara, como mais próximas, em cultura e "domesticação" dos brancos – as mulheres preferidas, em zonascomo Minas Gerais, de colonização escoteira, para "amigas", "mancebas" e "caseiras" dos brancos. Ilustres famílias daquele Estado que ainda hoje guardam traços negroides, terão tido o seu começo nessa união de brancos com negras Minas, vindas da África como escravas, mas aqui elevadas a condição, segundo o testemunho de Vahia Monteiro, "de donas de casa"
Desta forma, vemos que o papel do escravodoméstico, e não somente o escravo utilizado na produção agrícola e exploração de minas eram cada vez maiores e mais presente na sociedade brasileira e afirma:
“desde logo salientamos a doçura nas relações dos senhores com escravos domésticos, maior no Brasil do que em qualquer outra parte da América.”
Essa mistura entre escravos e senhores no ambiente familiar fez com que a mestiçagem e uma boarelação de convívio fossem crescendo no território brasileiro, tornando cada vez mais tênue a linha que separava a casa-grande da senzala, os brancos dos negros. Gilberto Freyre destaca:
“A casa-grande fazia da senzala para o serviço mais intimo e delicado dos senhores uma serie de indivíduos – amas de criar, mucambas, irmãos de criação dos meninos brancos (indivíduos cujo lugar na família...
tracking img