Gestão financeira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3619 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de dezembro de 2010
Ler documento completo
Amostra do texto
NOME DA UNIVERSIDADE

CURSO DE (ESPECIFICAR)

NOME COMPLETO DO ALUNO

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA

CIDADE
2009

NOME COMPLETO DO ALUNO

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA

CIDADE
2009

SUMÁRIO

1. TEMA 04
2. INTRODUÇÃO 04
3. OBJETIVO GERAL 06
4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 06
5. JUSTIFICATIVA DO TEMA 07
6. FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DA PESQUISA 08
7. HIPÓTESES 08
8. METODOLOGIA DAPESQUISA 08
8.1. Tipo de pesquisa 08
8.2. As fontes 09
8.3. Instrumentos de coleta de dados 09
8.4. Análise de dados 10
9. DEFINIÇÃO DOS TERMOS DA PESQUISA 10
10. REFERÊNCIAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS 10
10.1. Subtítulo 10
10.2. Subtítulo 12
10.3. Subtítulo 15
11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS INICIAIS 16

1. TEMA

A Gestão Educacional Democráticacomo meio de capacitação do indivíduo rumo ao exercício da cidadania.

2. INTRODUÇÃO

Diversas são as atribuições e implicações na nova realidade educacional e de administração educacional, em ampla consonância com a globalização vivida hodiernamente e suas interações com o sistema produtivo e de movimentação financeira, bem como a velocidade contemporânea no que tange à transferência eatualização do conhecimento propriamente dito. Há sessenta anos aproximadamente a enfermagem vem atualizando seus conhecimentos, práticas e metodologias, reconfigurando inúmeros postulados e modelos de intervenção. Focalizando as discrepâncias decorrentes do contexto e pacientes para os quais foram desenvolvidas, todas as formas de assistência tangem ao ambiente e sua influência no ser humano, nocliente do cuidado, isto é, o indivíduo, a coletividade, a família e à proposição de saúde em que se pauta. A enfermagem é delineada como um processo que pode interligar a relação entre os componentes supracitados.

A gestão educacional democrática constitui-se, diante da realidade hodierna, forte tendência para o enquadramento da educação com a demanda contemporânea, e suas acentuadasdesigualdades e exigências, mas têm inúmeras vertentes, incentivadores, críticos, colaboradores, retardatários, obstáculos, como qualquer grande empreendimento, especialmente em campo tão fértil e delicado como a educação.

Dessa forma, é facilmente vislumbrável que as práticas em enfermagem lidam com os mais variados tipos, níveis, graus e especificidades de moléstias, lesões,feridas e doenças, tanto de cunho autônomo (não-transmissível), quanto de natureza propagável (transmissível), o que torna a profissão, o profissional e o ambiente de trabalho, focos de constante e pormenorizada atenção, cuidados, procedimentos diretos no sentido de promover cura ao paciente, em plena coligação com a salubridade tanto do capital humano, quanto do ambiente físico ali envolvido.Diante de tal cenário, a Engenharia em seus crescentes e proficientes conceitos, desenvolveu novos sistemas de construção civil, focados tanto em segurança, quanto em estabilidade, durabilidade, economia de tempo e de matéria prima empregada, instituindo assim, práticas construtivas mais eficazes e eficientes, aliadas a padrões arquitetônicos modernos e equivalentes a cada época demarcadatemporalmente.

O risco de propagação epidemiológica no contexto hospitalar, grande sede das atividades em enfermagem, a cada vez mais vem sendo suprimido, buscando-se impingir varreduras que o possam dizimar, promovendo práticas palpáveis de saúde, reabilitação, recuperação e cura absoluta, para os mais diversos males, sejam estes de natureza transmissível ou não.Santana e Oliveira (2004) asseveram ser a construção civil, instância responsável por grande parte das práticas laborais nas camadas de menor renda masculinas do Brasil, sendo também tida como uma das mais perigosas no que se refere à incidência de acidentes e moléstias ligadas à intoxicações, contaminações, ferimentos de pequeno, médio e grande porte, chegando-se, inclusive, a eventos de morte....
tracking img