Gestão ambiental

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 35 (8523 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Walmart é uma empresa do setor de varejo que iniciou suas atividades nos Estados Unidos da América em 1962 por Sam Walton.
Inicialmente uma loja de descontos, em Bentonville, Arkansas, hoje atua em 18 países:
O Walmart abriu a sua primeira loja no Brasil em 1995. Em 2004 o Walmart adquiriu as lojas da Rede Bompreco na regiao nordeste e em 2005 adquiriu as lojas da rede Sonae. Hoje o Walmarttem mais de 450 lojas em 18 Estados das regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, além do Distrito Federal.
Em 2008 o faturamento da empresa foi de R$ 17 bilhões em 2008, a empresa empregou cerca de 80 mil pessoas e ocupou a terceira posição no ranking da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). [1]
Em 2010, a empresa anunciou a abertura de cerca de 100 novas lojas e 10 mil novospostos de trabalho.
O CEO do Walmart Brasil e o Brasileiro Marcos Samaha.
Em 2009, o Guia Exame de Sustentabilidade elegeu o Walmart "a empresa sustentavel do ano", por seu programa de sustentabilidade que inclui a construcao de lojas mais eficientes, gestao de residuos, educacao de funcionarios e engajamento de fornecedores para o desenvolvimento de produtos mais sustentaveis.
de bandido a mocinhoA reação do gigante
Alvo de críticas dos ambientalistas, o Wal-Mart tenta agora adotar uma estratégia sustentável para ganhar mercado -- e a subsidiária brasileira é um dos destaques dessa iniciativa

Durante anos, o Wal-Mart, maior rede varejista e uma das maiores empresas do mundo, foi acusado de contribuir para o emporcalhamento do planeta, espremer de forma quase desumana fornecedores,pagar salários baixos e comprar produtos fabricados por crianças na Ásia. Para ter sempre preços mais baixos que os da concorrência, missão primordial do negócio desde sua fundação pelo americano Sam Walton, valia quase tudo. É evidente que ambientalistas, representantes de ONGs e políticos não poupariam uma companhia de tamanha visibilidade e poder. O ataque foi brutal e, há dois anos, a cúpula doWal-Mart decidiu que era hora de mudar parte do jeito como vinha fazendo negócios e tentar, dessa forma, preservar o futuro da companhia. Em um evento promovido há pouco mais de um mês pelo jornal The Wall Street Journal nos Estados Unidos, Lee Scott, presidente mundial do Wal-Mart, deixou clara sua posição: "Não somos verdes". Pragmático, Scott acrescentou que sua saga rumo à sustentabilidadeambiental e social é motivada menos pela vontade de conquistar o respeito dos ambientalistas e mais pela gana de economizar dinheiro -- afirmação, que, obviamente, não provocou nenhuma simpatia nas ONGs.
A despeito das razões que movem o maior varejista do mundo, o fato é que há cada vez menos argumentos para observar com desdém o que o Wal-Mart vem fazendo pela causa ambiental. Uma dassubsidiárias que se destacam nessa cruzada é a brasileira, que já adotou uma série de políticas globais. Uma delas determina que, até 2013, todos os fornecedores deverão ter diminuído em 5% o tamanho de suas embalagens -- medida que deve reduzir o lixo e gerar economia de 3,4 bilhões de dólares para o Wal-Mart. Outra é que, até 2010, os 5 000 produtos de marca própria da empresa devem ser considerados"sustentáveis", ou seja, livres de qualquer substância nociva ao meio ambiente e ao ser humano e com embalagens reduzidas ao mínimo possível. O resultado até agora? A resposta oficial da empresa dá a dimensão da dificuldade enfrentada: "O que já foi conquistado com relação a essas metas é tão pouco que nem merece ser citado", diz Rita Oliveira, gerente de produtos sustentáveis do Wal-Mart.
Ainda assim,a companhia começa a colecionar histórias que revelam quanto é capaz de desencadear mudanças no comportamento dos fornecedores e dos próprios funcionários, que vêm sendo instigados a participar cada vez mais desse processo. Nem todas essas alterações são complexas, onerosas ou incrivelmente inovadoras. Na verdade, a maioria delas é bastante simples, quase óbvia. Tome-se o exemplo da gaúcha...
tracking img