Gemologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2717 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A mineração na terra começou quando o homem pré-histórico lascou a primeira pedra. Adiante, passou a explorar as minas para obter as pedras e os metais de que necessitava para a construção de seus abrigos e armas.

Na Espanha, houve mineração de cobre em Huelva desde 800a.C., mina que acabou ficando com a Companhia do Rio Tinto.

Os minérios de mercúrio de Almadén são do início da EraCristã. Na Suécia, em Falun, por volta de 1100 ou 1200, fundou-se, com privilégio real, uma sociedade anônima mineraria a Stora Kopparberg, que lavrava e produzia cobre.

Há documentação de que, em 1288, o Bispo Petrus, de Vasterás, com anuência do Rei Magnus, adquiriu 1/8 das ações da empresa. O cobre dessa mina financiou várias ações guerreiras da Suécia. A Rainha Cristina, no século XVII, dizia quea grandeza da Nação dependia do metal produzido em Stora Kopparberg. Os Fenícios iam buscar estanho nas ilhas britânicas chamadas Cassiterides

A narrativa da história da mineração no Brasil inicia-se com a lição de WALDEMAR MARTINS FERREIRA, lembrando que o escrivão da Armada, reportando-se a El rei sobre a descoberta do Brasil, escreveu: “Nela, até agora, não pudemos saber que haja ouro, nemprata, nem coisa alguma de metal ou ferro; nem lho vimos.

Melhor seria que a primeira carta a Portugal avisasse que, por aqui, em se pesquisando com seriedade, se acham todos os minérios.

Na economia brasileira do século XVIII predominou a extração do ouro e do diamante. Foram as Bandeiras de São Paulo as descobridoras do ouro em Minas Gerais,Mato Grosso e Goiás.

A cata de diamantes descobertos no Tijuco (Diamantina), no terceiro decênio do século XVII, foi reservada à Coroa, que delimitou o chamado Distrito Diamantino, submetendo-o a regime administrativo especial, visando a evitar extrações clandestinas e contrabando.

A mineração de ferro foi incipiente no períodocolonial. A tentativa de sua modernização, no início do século XIX, fracassou por motivos técnicos e econômicos. No período do Brasil-Colônia, e enquanto regiam Pedro I e Pedro II, as tentativas de fundição de ferro sofreram tenaz e potente oposição da Inglaterra, porque as ferragens, oriundas de um país que possuía o mais rico minério do mundo, ameaçariam a confortável posição comercial inglesa.“Os ardis”, as formas e os meios a que os ingleses recorreram para impedir a prosperidade de nossas casas de ferro fornecem material para interessantíssimo e necessário estudo histórico desse aspecto de nossa luta pela independência e pela emancipação econômica. Por outro lado, a febre da mineração do ouro e das pedras preciosas, em sua época, absorvia todas asatividades, e ninguém iria deixar de extrair ouro para tentar fundir ferro, tendo nos calcanhares a poderosa Inglaterra e seus vassalos, os Reis de Portugal. Em vão o Capitão-General da Capitania das Minas Gerais, Dom Rodrigo José de Menezes, em pleno apogeu da extração do ouro, descrevia o estado de decadência da Capitania e mostrava que fabricar ferro constituía tarefa fundamental. A respostada Corte veio cinco anos mais tarde, com a proibição de instalar-se fábrica de qualquer natureza na Colônia

No Período Colonial, à falta de um ordenamento jurídico próprio, o Brasil regia-se pelas Ordenações Manuelinas, que davam ao Rei de Portugal todos os direitos sobre “os vieiros e minas d’ouro, ou prata, ou qualquer outro metal”.Quando, em 11/01/1603, foram promulgadas as Ordenações Filipinas, já havia chegado a Portugal notícia da descoberta de ouro no Brasil, o que contribuiu para a manutenção do mesmo princípio. Pelo regime regalia no, o Rei consentia a exploração de minas, mediante retribuição de parte do minério extraído. Com o desenvolvimento da atividade, houve necessidade de se aprimorar a legislação e as...
tracking img