Gastrosquise

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2960 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO

É uma fenda que interessa toda a espessura da parede abdominal sem envolver o cordão umbilical. Invariavelmente, o defeito é localizado no lado direito do cordão umbilical. Alças intestinais e outros órgãos abdominais podem protruir através desta abertura, sem apresentar membrana peritoneal recobrindo o conteúdo exteriorizado, o que a diferencia da onfalocele. A gastrosquisepode ser diagnosticada por meio da ultra-sonografia a partir da 12a semana de gestação1. Deve ser diferenciada da onfalocele, uma vez que esta última apresenta uma associação mais freqüente com anomalias cromossômicas e outras malformações, o que modifica a conduta e aconselhamento pré-natal em cada caso.

GASTROSQUISE

A gastrosquise é um defeito congênito de parede abdominalcaracterizado por exteriorização das alças intestinais.

Na gastrosquise o defeito abdominal é relativamente pequeno, localizado a direita do cordão umbilical, o qual esta em sua posição normal. Não há membranas recobrindo as vísceras, as quais se apresentam expostas ao nascimento. Este é um importante detalhe anatômico que diferencia a gastrosquise da onfalocele. Na onfalocele, as víscerassão recobertas por membranas translúcidas: o âmnio e o peritônio parietal. O cordão umbilical esta sempre no ápice do defeito. O defeito da parede pode se apresentar de diversos tamanhos e conter quantidade variável de alças intestinais, com ou sem fígado no seu interior. Quanto maior o defeito abdominal, pior o prognóstico.

Patogenia

A patogenia da gastrosquise é assunto aindacontrovertido. Parece ser devido a um fenômeno teratogênico decorrente da rotura precoce da somatopleura para-umbilical, ao nível da veia umbilical direita, que se encontra atrofiada. Parece ocorrer no local de involução da segunda veia umbilical. Na fase em que o intestino primitivo cresce desproporcionalmente ao corpo do embrião, como acima descrevemos, ocorre o prolapso desse intestino através dodefeito para-umbilical. O intestino continua a crescer, agora livre na cavidade amniótica e banhado pelo liquido amniótico.

Qualquer que seja o defeito abdominal, a desproporção entre as vísceras exteriorizadas e o tamanho da cavidade abdominal é o que dita o prognostico. Este é um dos aspectos mais importantes da patogenia, pois implica maior ou menor dificuldade na redução cirúrgica dasalças à cavidade abdominal. Nesta, a desproporção entre a cavidade abdominal e o conteúdo abdominal eviscerado é devida, em grande parte, ao edema e espessamento das alças expostas provocados pelo contato prolongado das alças com o liquido amniótico (pH 7,0). O encurtamento intestinal observado na gastrosquise é mais aparente do que real e decorre da serosite, edema e espessamento das paredes dasalças.

A presença de outras malformações e de anomalias cromossômicas são outros fatores que afetam o prognostico. As malformações não ileojejunais associadas – hérnia diafragmática, tissomias, cardiopatias congênitas – são mais freqüentes na onfalocele do que na gastrosquise. A raridade das malformações associadas nas gastrosquises e a maior freqüência delas nas onfaloceles permitemapontar para uma etiologia ambiental para aquelas e uma base genética para estas. A prematuridade é mais freqüente na gastrosquise.

Embora haja hipóteses de que as gastrosquises sejam decorrentes de onfaloceles com rotura intra-uterina precoce, a freqüência das malformações associadas nas onfalocele e a raridade nas gastrosquises indicam que sejam duas malformações independentes, alem disso,as características morfológicas dos defeitos abdominais são muito diferentes entre si. Não deixando duvidas quanto à etiologia independente entre as duas doenças.

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E MORFOLÓGICAS: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

Existem detalhes morfológicos que permitem diferencias as onfaloceles das gastrosquises.

A onfalocele geralmente apresenta-se com as seguintes...
tracking img