gasometria arterial

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2702 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de maio de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto


INTRODUÇÃO
Gasometria Arterial é um exame invasivo que mensura as concentrações de gases sanguíneos, a ventilação e o estado acido básico.
É simples, amplamente disponível e de baixo custo.
Os distúrbios ácido-básicos estão associados ao maior risco de disfunção de órgãos e sistemas e óbitos em pacientes internados em terapia intensiva.
Por este motivo, o conhecimento dos mecanismosfisiológicos homeostáticos de controle do equilíbrio ácido-base é de fundamental importância.
Tipicamente, os valores gasométricos são obtidos quando o quadro clínico do paciente sugere uma anormalidade na oxigenação, tal como a mudança na concentração de oxigênio inspirado (FiO2), níveis aplicados de pressão expiratória final positiva (PEEP), pressão das vias aéreas, ventilação (mudança defrequência da respiração, alterações do volume corrente) ou equilíbrio ácido-básicos (administração de bicarbonato de sódio ou terapia com acetazolamida).
De uma forma geral se recomenda que a coleta de sangue arterial se dê com o paciente sentado, exceto naqueles acamados, com o paciente em repouso pelo menos 10 minutos antes da punção, e antes de qualquer manobra de função pulmonar.
No pedido degasometria devem constar todos os dados de interesse, como identificação do paciente, uso de medicamentos (broncodilatadores e vasodilatadores) e/ou oxigenoterapia, para uma correta interpretação
Ao escolher o local da punção deve-se considerar a facilidade de acesso ao vaso e o tipo de tecido periarterial, já que músculos, tendões e gordura são menos sensíveis à dor que periósteo e fibrasnervosas.
Normalmente, essa amostra é coletada na artéria radial, perto do punho, mas também poderá ser coletada pela artéria braquial ou femoral.
A técnica de punção arterial deve seguir os passos:
1. paciente e médico devem estar em posição confortável;
2. escolher o local de punção;
3. limpeza da pele com álcool;
4. perguntar ao paciente se tem alergia a anestesia e se está usandoanticoagulante;
5. injetar via SC pequena quantidade de anestésico local (0,3ml), que não contenha adrenalina, fazendo um botão anestésico que será massageado. Utiliza-se seringa de insulina com agulha fina. Como a anestesia local evita a dor, diminui a ansiedade e a hiperventilação, deve-se insistir na anestesia para punção arterial;
6. colocar o punho do paciente hiperestendido;
7. utilizarpreferencialmente seringas de vidro (menor resistência), pequenas (3ml), previamente lubrificadas com heparina;
8. introduzir a agulha com o bisel voltado contra a corrente, formando um ângulo aproximado de 45 graus com a pele;
9. em condições ideais, deve-se obter um fluxo de sangue capaz de elevar o êmbolo da seringa de forma passiva (sem aspirar), colhendo entre 2-5ml;
10. comprimir com força olocal da punção por aproximadamente 5 minutos, para prevenir a formação de hematoma. Alguns pacientes necessitam uma compressão mais prolongada;
11. garantir o fechamento hermético da seringa utilizando pasta na ponta da agulha, ou outro meio semelhante
A correta manipulação da amostra sanguínea arterial por técnico qualificado é tão importante quanto a adequada manutenção técnica dos aparelhosde medição, mesmo que se utilizem aparelhos automatizados.
É imprescindível a anticoagulação da amostra com heparina, lembrando que uma quantidade excessiva da mesma pode alterar os resultados.
Entre a coleta da amostra e sua análise não devem ultrapassar 10-15 minutos em condições normais, mantendo a hermeticidade da agulha todo o tempo.
Se não há possibilidade de análise no referido tempo,a amostra arterial deve ser guardada em gelo moído, objetivando diminuir o metabolismo eritrocitário, evitando assim a diminuição da PO2 e aumento da PCO2.
Existem vários fatores que podem levar a erro na medida e, em consequência, a uma interpretação incorreta dos valores gasométricos, os quais são listados a seguir:
1. punção arterial dolorosa;
2. punção venosa;
3. excesso de heparina...