Génese do trafico de escravos e suas rotas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 8 (1986 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 21 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução
Génese do trafico de escravos e suas rotas

A escravidão esteve presente no continente africano muito antes do início do comércio de escravos com europeus na costa atlântica.

O fenómeno da escravatura desde tempos imemoriais. A escravidão de seres humanos era, em geral, o resultado de guerras entre povos e era amplamentepraticada em todo o mundo e em todas as culturas, desde a antiguidade mais remota.

Denzevolvemento
A escravização do africano pelo africano

Muitas tribos rivais faziam prisioneiros em conflitos e vendiam-nos para árabes e europeus. De fato, este foi um dos elementos chaves responsáveis pela mercantilização dospovos africanos.

Os povos mais frágeis eram capturados pelos chefes das tribos e trocados com os europeus por mercadorias. Basicamente os conflitos tribais na África alimentavam o tráfico, assim como até hoje, conflitos internos aliados à corrupção de governantes locais, ainda são responsáveis por todo um contexto de miséria existente no continente africano.Guerras civis entre forças revolucionárias e governos corruptos na África, fizeram uma quantidade enorme de vítimas, onde os mais fracos são os que pagam com a própria existência. A baixa industrialização do continente e o conflito de interesses entre liberais e a esquerda, protelam, actualmente, uma solução económica e social viável para o povo africano.

Durante osprimeiros quatro séculos do século XV a metade do XIX de contacto dos navegantes europeus com o continente negro, a África foi vista apenas como uma grande reserva de mão-de-obra escrava, a ´´ madeira de ébanos a ser extraída e exportada pelos comerciantes. Traficantes de quase todas as nacionalidades montaram feitorias nas costas da África. As simples incursões piratas que visavam inicialmente atacar desurpresa do litoral e apresar o maior número possível de gente, foi dando lugar a um processo mais elaborado.

Os mercadores europeus, com crescer da procura por mão-de-obra escrava, motivada pela instalação de colónias agrícolas na América, associaram-se militarmente e financeiramente com sobas o régulos africanos, que viviam nas costas marítimas, dando-lhes armas, pólvorae cavalos para que afirmassem a sua autoridade numa extensão a maior possível. Os prisioneiros das guerras tribais eram encarcerados em `` barrações, em armazéns costeiros, aonde ficavam a espera das chegadas dos navios tumbeiros ou negreiros que os levariam como carga humana pelas rotas transatlânticas.

Mas o tráfico negreiro transatlântico foi a maior deportação de homens euma das maiores tragédias da história, pela sua amplitude e com as seguintes característica:
1. O seu carácter social (o preto africano como o arquétipo do escravo);
2. O seu carácter jurídico (os códigos negros usados sobretudo na América);
3. A sua longa duração (quatro séculos).

Os principais pontos de abastecimento de escravos, pelosmenos entre os séculos 17 e 18 eram o Senegal, Gâmbia a Costa do Ouro e a Costa dos Escravos. O delta do Níger, o Congo e Angola serão grandes exportadores nos séculos 18 e 19. Quantos escravos foram afinal transportados pelo Atlântico? Há muita divergência entre os historiadores, alguns chegaram a projectar 50 milhões, mas R. Curtin (em O tráfico de escravos Atlântico: Um censo, 1969) estimaentre 9 a 10 milhões, a metade deles da África Ocidental, sendo que o apogeu do tráfico ocorreu entre 1750 a 1820, quando os traficantes carregaram em média uns 60 mil por ano. O tráfico foi o principal responsável pelo vazio demográfico que acometeu a África no século XIV.

No caso especifico de Angola, o numero varia entre 10 a 20 milhões de cativos exportados durante os...
tracking img