Futilidade terapeutica e insuficiencia respiratoria

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 26 (6325 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ARTIGO ORIGINAL
 
Futilidade terapêutica e insuficiência respiratória: realização de um estudo de coorte prospectiva*
 
Medical futility and respiratory failure: a prospective cohort study
 
 
Cristiano Corrêa BatistaI; Maurício Alberto Goldbaum JúniorII; Fernanda SztilerII; José Roberto GoldimIII; Carlos Cezar FritscherIVIMédico Intensivista, Bioeticista, Professor da UCPel, PhD
IIAcadêmico de Medicina da PUCRS
IIIBiólogo, Bioeticista, Professor da UFRGS/PUCRS, PhD
IVMédico Pneumologista, Professor da PUCRS, PhD
Endereço para correspondência
 
 
[pic]
RESUMO
JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A necessidade de reformular as metas dos cuidadosintensivos, partindo muitas vezes da cura para o conforto, torna-se necessário nos dias atuais. O médico intensivista, freqüentemente está diante da decisão de suspender ou não oferecer determinado tratamento, apesar de ele estar disponível. O objetivo deste estudo foi estimar o risco evolutivo de probabilidade de morte individual para pacientes internados com insuficiência respiratória na unidade deterapia intensiva (UTI), identificar quais os tratamentos mantenedores da vida foram administrados, o tempo de internação e o desfecho, comparar o desfecho "morte" em relação aos modelos UNICAMP II e APACHE II, bem como verificar se os tratamentos mantenedores da vida podem ser limitados ou suspensos.
MÉTODO: Trata-se de um estudo de coorte prospectiva, observacional envolvendo 150pacientes com insuficiência respiratória internados na unidade de tratamento intensivo. A análise estatística foi realizada por meio dos Modelos Lineares Generalizados.
RESULTADOS: Idade, sexo, raça ou morbidade não mostrou estatística significativa para predizer o desfecho. Essa predição foi mais bem averiguada por meio da evolução do índice prognóstico individual nos primeiros sete dias deinternação na UTI. A piora do prognóstico em 10% para pacientes com risco inicial entre 70% e 80%, utilizando o modelo UNICAMP II, mostrou especificidade de 97,4% a 98,6%.
CONCLUSÕES: A evolução prognóstica dos pacientes, nos primeiros sete dias de internação na UTI, é de grande auxílio do ponto de vista objetivo para a tomada de decisões éticas em torno da não-oferta de novos tratamentosmantenedores da vida.
Unitermos: Insuficiência Respiratória, Futilidade Terapêutica, UTI
[pic]
SUMMARY
BACKGROUND AND OBJECTIVES: Currently, the reformulation of intensive care goals, often shifting from the search for a cure to offering comfort, has become more and more necessary. The intensivist is frequently confronted with the decision to suspend or notoffer a specific therapy, despite its availability. The objective of this study was to estimate the developing risk of probability of death for individual ICU patients with respiratory failure, identify which life-sustaining therapies were administered, time of internment and outcome. Compare the death outcome in relation to UNICAMP II and APACHE II models, as well as verify if the life-sustainingtherapies may be limited or suspended.
METHODS: It is the observational, prospective cohort study of 150 patients with respiratory failure confined to the intensive care unit. Statistical analysis was carried out using Generalized Linear Models.
RESULTS: Age, sex, race or morbidity did not reveal statistical significance in predicting outcome. This prediction was confirmed moreaccurately by means of changes in the individual prognostic index of death probability during the first seven days of ICU internment. A 10% worsening prognosis in patients who presented initial death risk of 70% to 80%, utilizing the UNICAMP II Model, showed a specificity of 97.4% – 98.6%.
CONCLUSIONS: Prognostic changes in patients during the first seven days of ICU internment are of...
tracking img