Futebol no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2043 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Em meio aos anos que se sucederam pós-abolição no Brasil, Charles Miller em 1894 desembarca na cidade de São Paulo e a seu país de origem com materiais esportivos para a pratica do “football”, esporte este já muito praticado na Inglaterra, país cujo fora estudar quando ainda jovem.
Para a disseminação do esporte aqui no Brasil ele contou com dois importantíssimos aliados, Hans Noibiling, alemãoe professor, um dos fundadores de um dos grandes clubes de São Paulo, a Germânia conhecido hoje como Clube Pinheiros, e o outro importante aliado foi o carioca Oscar Cox, peça importantíssima na fundação do Fluminense football Club.
Como pode ser notado e já é de nosso conhecimento, o Futebol chega e se consolida como esporte através da aristocracia burguesa tanto paulista quanto carioca e quelogo se espalha por todo a país com a fundação de clubes destinados a pratica deste esporte, que no seu inicio eram praticados apenas em pequenos festivais organizados pelas elites, como já dito pobre, negros e mestiços tinham participação pouco expressiva na pratica deste esporte. As arquibancadas mais se pareciam festejos de gala que uma pratica esportiva, o ambiente quase em sua totalidade, eramnestes clubes onde se encontravam a comunidade aristocrática das suas referidas cidades, onde homens se vestiam de ternos, coletes, chapéus entre outros apetrechos, enquanto as mulheres iam toda perfumada e vestidas com suas melhores roupas, vestidos longos, chapéus que mais se pareciam “carros alegóricos” e quase que unanima mente ao final das partidas os jogadores se confraternizavam entre sicom muitas bebidas como uísques, conhaque, cerveja e fumavam seus charutos, cachimbos em um festejo onde se reunião todas as grandes famílias da cidade muito aquém ao que poderiam ostentar as famílias das chamadas camadas populares.
Com a intenção de dificultar ainda mais a participação das camadas populares eram criadas altas mensalidades o que tornava inviável e quase que impossível que negrose mestiços acabassem participando destas praticas desportivas, pois eram permitidos entre outras exigências que se fossem apenas sócios os participantes dos eventos futebolísticos tanto atuando no gramado quanto nas arquibancadas.
Mesmo com tanta coisa indo contra negros, mulatos e pobres acabam se fascinando pela pratica do esporte e mesmo não podendo entrar nos estádios fechados para aaristocracia, se empoleiravam em árvores, telhados de casas, olhavam por cima dos muros, e vibravam com os lances das partidas praticadas pelos brancos e somente anos mais tarde foi permitida a entrada das classes populares com a criação da geral com preços mais acessíveis a essas classes dando um olhar semelhante ao de Gilberto Freyre em “Casa-grande e senzala” (1933), onde apresenta teses em que acolonização teria sido branda e amigável, e que esta confraternização, entre o colono e o negro provava a inexistência de racismo, então da mesma maneira ocorre com a criação da geral dando a mesma impressão de harmonia entre as classes e que os brancos ricos estariam se confraternizando com os brancos pobres, negros e com os mestiços em um mesmo festejo tornando popular desta maneira o futebol aqui noBrasil, fato este que não passa de estratégias políticas para agradar estes chamados de populares que a partir de então passam a ter uma participação cada vez maior dando a impressão de um país em plena democracia racial e cultural o que somente ocorre no imaginário de um todo ao integrar parcialmente estas camadas sociais a um esporte ate então elitista e segregacional.
Não por menos adiscriminação era evidente tanto que era improvável que um negro, pobre e ate mesmo mulato, tanto que até um dos grandes ídolos da época Artur Friedenreich, filho de um alemão e de uma negra, tinha que se disfarçar e alisar seus cabelos crespos com pomadas e panos quentes antes de cada partida como é possível observar nas afirmações de Eduardo Galeano (2004,p.49-50), e na figura abaixo:

“Naquela...
tracking img