Futebol feminino

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1479 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
|Curso |Licenciatura em Educação Física |
|Disciplina |Futebol |
|Professora responsável |Alessandra Gaspar MLuchetti |
|Título do projeto |Futebol do Brasil |
|Aluna |Geni José do Carmo Bezerra RA.:1096323 |
|Datainício do Projeto |28/05/2012 |
|Data término do Projeto |16/06/2012 |














“Futebol feminino e seu contexto”
No Brasil o futebol é uma áreapredominante masculina, no país é recente o futebol feminino, pois através do Decreto lei 3199, publicado inicialmente em 1941 pelo CND, proibia-se a prática de esportes que não fossem adequados à natureza feminina.
Com a proibição das mulheres a prática de algumas atividades físicas, elas tiveram que enfrentar vários obstáculos para a inserção e permanência das mulheres no esporte. Paralegislar tais normas, muitos argumentos foram levantados e defendidos por autoridades no assunto. Com bases biológicas e fisiológicas, alegavam quais seriam as atividades adequadas para o corpo e a saúde das mulheres, futuras mães.
Só em meados da década de 1980, o CND concedeu o direito à prática de diversas modalidades esportivas pelas mulheres, incluindo o futebol.
Elas conseguiram o direito, masa sociedade dificulta a inserção e a permanência das mulheres no futebol, elas se deparam com a barreira do preconceito familiar, por vezes representado pela figura materna. O apoio da família é decisivo na carreira dos atletas.
O preconceito é um processo de inserção das mulheres no contexto esportivo de reserva masculina, o que contribui para a construção de estereótipos relacionados àidentidade sexual e de gênero das jogadoras.  Muitas jogadoras são rotuladas de lésbicas por praticarem futebol, levantando a discussão sobre a masculinidade das mulheres que praticam tal modalidade.
Na escola atualmente percebe-se que as aulas de Educação Física ministradas tanto na rede de ensino público quanto na rede de ensino particular são marcadas, ainda hoje, por dificuldades e resistências àprática conjunta entre meninos e meninas, tanto por parte dos alunos quanto dos professores. O que vem a caracterizar uma Educação Física arraigada em preceitos de rendimento apesar de toda a evolução teórica evidenciada pelo surgimento de diversas concepções na área a partir da década de 80.
O tratamento diferenciado acaba resultando em um desempenho motor diferenciado, pois em uma observaçãoda prática dos professores, observa-se, a insistência de discriminação entre os sexos para as atividades físicas. Isto leva a uma compreensão sobre o motivo da falta de habilidades motoras, envolvendo os grandes músculos evidenciados pelo grupo feminino.
Os meninos são completamente livres e libertos, jogam bola nas ruas e desenvolvem outras atividades que lhes favorecem o desenvolvimento damotricidade ampla. Essa conduta tem total anuência dos pais, vizinhos e amigos. Por outro lado, as meninas, de um modo geral, são decididamente desencorajadas e, até mesmo, proibidas de praticarem essas brincadeiras e atividades, desenvolvem como consequência, a motricidade fina.
 Um fator que leva a esta exclusão por habilidade, é o caráter competitivo presente na prática esportiva escolar. Este...
tracking img