Atualmente, os educadores utilizam como justificativa para sua resistência em atuar em casos de inclusão o despreparo e a “não formação” para atuar em tal contexto, mas, podemos afirmar a partir deuma retrospectiva que essa atitude tem relação com o tratamento que os portadores de necessidades especiais receberam no decorrer dos tempos.
Na Idade Média a sociedade era pluralista e nelaconviviam todos os tipos de indivíduos, com as mais diversas diferenças. Porém, durante a idade moderna isto foi sendo modificado, pois houve a convenção de que as cidades deveriam ser espaços homogêneos,pois idealizava-se uma sociedade organizada através das regras e da disciplina, e na qual um fator determinante para pertencer à ela era ser do sexo masculino, branco e alfabetizado. Com isto, asminorias, entre elas os portadores de necessidades especiais, ficaram à margem da sociedade. Criaram-se as escolas para crianças, hospícios para os loucos e às mulheres ficou reservado o espaço doméstico.No Brasil, através do movimento denominado escolanovismo, a homogeneidade na escola passou a ser um sonho. Tal movimento trouxe consigo reformadores (especialistas), que implantaram testespsicológicos, com o intuito de “calcular” o nível de inteligência dos alunos. A partir daí os alunos passaram a ser classificados por seus níveis de inteligência e não mais por faixa etária. É nesse contexto quesurgem as classes especiais, tanto para os considerados retardados quanto para os considerados superdotados, além das classes normais.
Fundando-se em uma nova “inflência” disciplinar, denominadapsicotécnica, essa nova medida de inteligência e aptidões foi disseminada em diversas regiões brasileiras, sempre com o ideal de extinsão das classes heterogêneas, dando origem a variadas organizações demassas escolares consideradas homogêneas. De acordo com Monarcha:
Consequentemente,eliminavam-se as classes heterogêneas que abrigavam em seu interior uma variedade de tipos mentais: “os mais... [continua]

Ler trabalho completo

Citar Este Trabalho

APA

(2011, 07). Fundamentos éticos, políticos e teóricos da educação inclusiva. TrabalhosFeitos.com. Retirado 07, 2011, de http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Fundamentos-%C3%89ticos-Pol%C3%ADticos-e-Te%C3%B3ricos-Da/51803.html

MLA

"Fundamentos éticos, políticos e teóricos da educação inclusiva" TrabalhosFeitos.com. 07 2011. 2011. 07 2011 <http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Fundamentos-%C3%89ticos-Pol%C3%ADticos-e-Te%C3%B3ricos-Da/51803.html>.

MLA 7

"Fundamentos éticos, políticos e teóricos da educação inclusiva." TrabalhosFeitos.com. TrabalhosFeitos.com, 07 2011. Web. 07 2011. <http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Fundamentos-%C3%89ticos-Pol%C3%ADticos-e-Te%C3%B3ricos-Da/51803.html>.

CHICAGO

"Fundamentos éticos, políticos e teóricos da educação inclusiva." TrabalhosFeitos.com. 07, 2011. Acessado 07, 2011. http://www.trabalhosfeitos.com/ensaios/Fundamentos-%C3%89ticos-Pol%C3%ADticos-e-Te%C3%B3ricos-Da/51803.html.