Fugas e revoltas escravas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1695 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Fuga, Revoltas e Rebeliões















Universidade Federal do Rio de Janeiro
Aluna: Jéssica Rosa Martins CRE 111202527
Curso: Senhores, Escravos e Impérios nas Américas
Professor: Thiago KrauseIntrodução


Durante muitos anos a questão fuga e revolta escravista foi pensada de maneira bem simples e pouco abrangente pelos historiadores. Contudo as motivações das fugas devem ser analisadas mais profundamente para que se possa ter uma real idéia das verdadeiras motivações dos escravos.

Outro tema que deve ser muito bem analisado é a relação dos escravos com os senhores, com os índios ecom o próprio Estado que legitima e sustenta esse sistema, criando normas que protegem essa relação servil.

Não podem ser deixadas de lado às ações tomadas pelos senhores para a prevenção de fugas, para a captura dos escravos fugidos e a destruição dos quilombos, o revela a importância desse sistema para os senhores e para a economia Brasileira, que era completamente dependente dessamão-de-obra.






















Relação escravos, senhores e Governo

A relação senhor, escravo, era complexa, principalmente se comparada a relação entre senhor e escravo nos campos e senhor e escravo nas cidades. O governo, muitas vezes, influenciava essas relações, como nas criações de leis que se baseavam em antigas leis medievais, contudo não buscavam nelas argumentos quedeslegitimassem a escravidão, mas a partir delas tomaram para si a responsabilidade de garantir alguns direitos mínimos ao escravo.
Os dois direitos primários retirados dessas leis foram o da segurança e da propriedade, o que não afetava os direitos dos senhores. Com essa garantia, os escravos tiveram a sua segurança garantida por lei, apesar de os castigos continuarem sendo permitidos.Conseguiram assim uma possibilidade, bem pequena, de conseguir comprar sua liberdade, pois os seus ganhos, já retirado o que pertencia ao senhor, passou a ser de propriedade deles e desse modo o senhor não poderia tomar.

Essa possibilidade de comprar a liberdade, garantia aos senhores uma certa tranqüilidade em relação às revoltas, já que os escravos tinham a esperança de conseguir ser liberto atravésde trabalhar para juntar dinheiro, o que suavizava a relação entre o senhor e o escravo na cidade.
Não obstante, nos campos, o desrespeito por alguns senhores desses direitos, era motivo de fugas, revoltas e muitas vezes de violência contra os senhores, contra seus familiares, contra os feitores e contra até mesmo outros escravos da mesma fazenda.

A violência para com os senhores, eramotivada, em alguns casos, pela provocação demasiada pelos senhores com os escravos. Aqueles viam então na violência uma válvula de escape, porem em certos casos alem da violência com os senhores, poderia ocorrer uma revolta em grande escala.



Fugas

Como já dito, um olhar mais aprofundado nesse tema acaba sendo muito revelar, mostrando novos horizontes que ate a algum tempo atrás eramdesconhecidos de muitos e pouco valorizados por outros.
Para alguns historiadores o motivo das fugas dos escravos era simplesmente à vontade de se livrarem das punições e se protegerem das violências dos seus senhores.
Não obstante, hoje em dia esse tema é tratado com mais cuidado, novos descobertas foram feitas.

É levado em consideração, hoje que muitos escravos buscavam sim, por meio da fuga, umaescapatória a todos os castigos que sofriam, contudo a busca por sua independência e sua individualidade também podem ser considerados motivos para as fugas.
Alguns escravos viam na fuga um modo de tomar de volta o controle de sua vida e manter sua individualidade, criando assim, dentro dos quilombos ou em outros lugares relações que acabavam legitimando sua existência. Essa alternativa era...
tracking img