Franz kafka

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1668 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
— É um aparelho singular — disse o oficial ao explorador, e contemploucom certa admiração o aparelho, que lhe era tão conhecido. Oexplorador parecia ter aceito apenas por cortesia o convite docomandante para presenciar a execução de um soldado condenado pordesobediência e insulto aosseus superiores. Na colônia penal não eratampouco muito grande o interesse suscitado por esta execução. Pelomenos,nesse pequeno vale, profundo e arenoso, cercado totalmentepor campos nus, apenas se encontravam, além do oficial e doexplorador, o condenado, um homem de boca grande e aspectoestúpido, de cabelo e rosto descuidados, e um soldado, que sustinha apesada cadeia de onde convergiam as pequenas cadeias que retinham ocondenado pelos tornozelos e as munhecas, assim como pelo pescoço, eque estavam unidasentre si mediante cadeias secundárias. De todos osmodos, o condenado tinha um aspecto tão caninamente submisso, queao que parece teriam podido permitir-lhe correr em liberdade peloscampos circundantes, para chamá-lo com um simples assovio quandochegasse o momento da execução.O explorador não se interessava muito pelo aparelho, e passeava atrásdo condenado com visível indiferença, enquanto o oficialdava fim aosúltimos preparativos, arrastando-se de repente sob o aparelho,profundamente colado à terra, ou subindo de repente por uma escadapara examinar as partes superiores. Facilmente teria podido ocupar-sedestes trabalhos um mecânico, mas o oficial desempenhava-os comgrande zelo, talvez porque admirava sobremaneira o aparelho, ou talvezporque por diversos motivos não se podia confiar essetrabalho a outrapessoa.— Já está tudo pronto! — exclamou por fim, e desceu da escada.Parecia extraordinariamente cansado, respirava com a boca muitoaberta, e havia colocado dois finos lenços de mulher sob a gola douniforme.— Estes uniformes são muito pesados para o trópico — disse oexplorador, em vez de fazer alguma pergunta sobre o aparelho, comoteria desejado o oficial. — Com efeito — disse este, elavou as mãos sujas de graxa e de óleoem um balde que ali havia — ; mas para nós são símbolos da pátria;não queremos esquecer-nos de nossa pátria. E agora observe esteaparelho — prosseguiu imediatamente, enxugando as mãos com umatoalha e mostrando ao mesmo tempo o aparelho — . Até agora eutrabalhei, mas daqui em diante o aparelho funciona absolutamentesozinho.O explorador confirmou, e seguiu ooficial. Este queria cobrir todas ascontingências, e por isso disse:— Naturalmente, às vezes há inconvenientes; espero que não os tenhahoje, mas sempre se deve contar com essa possibilidade. O aparelhodeveria funcionar ininterruptamente durante doze horas. Mas háentorpecimentos, são contudo desdenháveis, e solucionam-serapidamente.— Não quer sentar-se? — perguntou depois, tirando uma cadeira devimede um montão de cadeiras semelhantes, e oferecendo-a aoexplorador; este não podia recusá-la. Sentou-se então, à borda de umburaco destinado à sepultura, para o qual dirigiu um rápido olhar. Nãoera muito profundo. A um lado do buraco estava a terra removida,disposta em forma de parapeito; do outro lado estava o aparelho.— Não sei — disse o oficial — se o comandante lhe explicou já oaparelho.Oexplorador fez um gesto incerto; o oficial não desejava nada melhor,porque assim podia explicar-lhe pessoalmente o funcionamento.— Este aparelho — disse, tomando uma manivela e apoiando-se sobreela — é um invento de nosso antigo comandante. Eu assisti àsprimeiríssimas experiências, e tomei parte em todos os trabalhos, atéseu término. Mas o mérito do descobrimento apenas corresponde a ele.Não ouviu falarde nosso antigo comandante? Não? Bem, não exagerose lhe digo que quase toda a organização da colônia penal é obra sua.Nós, seus amigos, sabíamos ainda antes de sua morte que aorganização da colônia era um todo tão perfeito, que seu sucessor,embora tivesse mil novos projetos na cabeça, pelo menos durantemuitos anos não poderia mudar nada. E nossa profecia cumpriu-se; onovo comandante viu-se...
tracking img