Formação social, economica e política do brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2412 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Formação Social, Econômica e Política do Brasil.

Professora EAD: Mª Edilene Xavier Rocha Garcia

Acadêmicos:


Pólo Catalão/Go
2º Semestre – Serviço Social

Catalão, 05 de Outubro de 2011.

1- O período colonial: estrutura econômica política e social
No século XV os Portugueses saíram para suas viagens, em busca de novas terras, visto que os espanhóis já haviam chegado aocontinente americano. Os portugueses, ou simplesmente foram tomar posse de uma terra já presumida: O Brasil.
Chegando ao Brasil, os portugueses encontraram os verdadeiros donos da terra: uma enorme variedade de grupos indígenas. Os primeiros contatos entre os dois povos foram amistosos e pacíficos, os índios colaboravam com os conquistadores, cortando e transportando o pau-brasil para os navios. Asrelações entre eles tornam-se cruéis e violentas. Não aceitavam trabalhar na lavoura, eram livres e não estavam habituados aos trabalhos forçados, reagiram com violência, iniciando longos conflitos. Os portugueses achavam-se superiores aos indígenas e, portanto deveriam dominá-los, a desigualdade era enorme. A cultura européia e indígena deu margem à formação de elementos como o português falado noBrasil, houve a catequese e a miscigenação. O convívio trouxe reflexos que foram herdados pela atual civilização brasileira, recebemos deles heranças, seja genética, seja cultural.
Hoje é visível a situação de miséria e abandono em que vivem os índios no campo ou nas cidades. Em aldeias infestadas de doenças de branco, amparadas pela droga e álcool, vivem da mesma forma de quando foram vistos ecorrompidos pelos portugueses. As poucas terras que possuem, são almejadas pelos grandes e poderosos e também por madeireiros e garimpeiros que tentam explorar as suas terras em benefícios próprios. Passam a ingressar a fileira dos marginalizados e excluídos e a fazer parte da camada social mais pobre do país.

2- Segundo Reinado: Transformações socioeconômicas e crise do império.
Levados pelaescassez de mão-de-obra, os senhores de terras passaram a usar os negros africanos escravizados, estabelecendo uma ponte entre o Brasil e a África para o tráfico de escravos. Portugal consentia, administrava e lucrava com esse trafico. Os escravos eram empregados em praticamente todas as atividades nos três séculos e meio que durou a escravidão em nosso país. Faziam os mais variados tipos detrabalho na lavoura, nas minas, na cozinha e em tarefas domésticas, era uma vida indigna. Houve uma forte e organizada resistência por parte dos negros a escravidão, que se traduziu no surgimento dos quilombos.
Dessa forma, eles fizeram à parte mais difícil na construção da não brasileira. Eram vistos como objetos, propriedade dos patrões, não possuíam direitos, identidades, nacionalidades, apenasdeveres. Após uma forte pressão britânica, no dia 13 de maio de 1888, chega ao fim de quase quatro séculos de regime escravocrata. Dando mais um passo e direção ao capitalismo, pois escravo sem salário não tinha poder de compra. O escravo negro liberto ficou relegado a atividades marginais, em situações de subemprego, não lhes deram terras, sem a oportunidade de acesso à escola e vítima de umpesado preconceito.
O preconceito contra o negro persiste até hoje. De que adianta a liberdade, se as oportunidades para negros e brancos nunca são as mesmas. Não lhes ofereceram condições para um novo estilo de vida. Apesar dos avanços obtidos nos séculos de luta pela liberdade contra a prática de racismo, o povo negro segue sendo a principal vítima das desigualdades sociais: o desemprego, aviolência, analfabetismo, entre os favelados do país, a maioria é negra. Há exclusão, descaso e a desvalorização desta parcela. A o papel de destaque da raça negra na história, sua contribuição. A convivência entre brancos e negros ainda terá que vencer obstáculos.

3- A era Vargas e Política Trabalhista
A revolução de 1930 foi um golpe de estado que aniquilou a elite cafeeira paulista, trazendo...
tracking img